Um time de engenheiros no MIT criou um projeto experimental que facilita a comunicação entre humanos e máquinas através de ondas cerebrais. A novidade essencialmente faz com que os robôs se adaptem ao controle humano, em vez de fazer com que pessoas aprendam a pensar de certa maneira para controlar as máquinas.

Para isso, a pessoa envolvida no teste precisa vestir uma touca cheia de sensores usados para identificar padrões de ondas cerebrais. Esses sensores estão em busca de um padrão específico, conhecido como “potencial relacionado a erro”, que é essencialmente a forma como o cérebro humano reage quando interpreta algum tipo de erro acontecendo.

Quando a máquina comete algum tipo de erro, a pessoa percebe e, inevitavelmente envia uma mensagem para o robô

A pessoa então é posicionada ao lado do robô e observa suas atividades semiautomáticas. Quando a máquina comete algum tipo de erro, a pessoa percebe e, inevitavelmente envia uma mensagem para o robô, que pausa suas atividades. O humano então pode corrigir as atividades do robô através de gestos da mão, fazendo com que ele aprenda a fazer suas atividades com mais precisão.

O robô utilizado nesse teste é, na verdade, uma criação da Rethink Robotics, desenvolvido para lidar com ferramentas como uma furadeira. A tarefa dele nesse momento seria fazer furos em locais específicos de uma placa de madeira. Sozinho, a taxa de acerto do robô chega a 70%, e o com o auxílio de um humano, ele atinge a marca dos 97%.

Esse sistema desenvolvido pelo pessoal do MIT funciona com qualquer pessoa, não apenas indivíduos treinados com a máquina. Isso acontece porque o potencial relacionado ao erro é uma reação padrão para o cérebro de qualquer humano, fazendo com que o robô consiga identificar a mensagem facilmente. “Essa máquina se adapta a você, e não você a ela”, comentou Joseph DelPreto líder do projeto. A novidade, segundo DelPreto, “torna a comunicação com um robô mais parecida com a comunicação com outra pessoa”.