O museu holandês Speelklok Museum estreia neste mês uma exibição especial, chamada “Robots Love Music”, na qual “você descobre que os mais antigos e novos robôs musicais têm um coração próximo ao cérebro”. Além do autômato Shimon e da máquina francesa de venda automática Hugo, que inspirou o filme “A Invenção de Hugo Cabret”, a exposição contará com um robô incomum, conhecido como Klarinettist. O problema é que sua clarineta está sumida há um bom tempo e uma busca está sendo programada, com o objetivo de recuperar o instrumento a tempo.

O androide de 1,83 metro de altura foi criado em 1838 por Cornelius Jacobus van Oeckelen e era um engenho muito interessante para sua época. Ele toca automaticamente e se curva para agradecer ao público e se apresentou nos principais salões da Holanda, indo em 1839 para as Índias Orientais Holandesas e em 1855 para os Estados Unidos.

Emprestado para Van Oeckelen, o Klarinettist sobreviveu ao incêndio do Barnums American Museum, em  Nova York. Um pouco avariado, foi comprado pelo colecionador Stearns e depois foi parar com o mágico John Gaugan, já nos anos 70. Essa vida viajante e aventureira deixou sua clarineta para trás e é isso que a diretora do Speelklok Museum, Marian van Dijk, procura atualmente.

robô

Foram várias as tentativas anteriores, desde anúncios de jornal a detetives particulares, e ninguém conseguiu recuperar o objeto. A esperança está no depósito da Coleção de Instrumentos Musicais de Stearns, na Universidade de Michigan, um local que abriga nada menos do 2,5 mil instrumentos. “Com base em pesquisas, esperamos que o clarinete esteja aqui e eu também sei como procurar. Ainda assim, dado o tamanho da coleção, continua sendo um salto no vazio. Certamente não espero encontrar ‘de primeira’. Vai ser uma pesquisa demorada”, afirmou Marian.

O Klarinettist  poderá ser visto de 21 de setembro a 3 de março do ano que vem. Com ou sem  seu clarinete.