A estação espacial chinesa Tiangong-1, lançada em 2011, está “sem freio” desde 2016 e já vem se despedaçando aos poucos desde o começo do ano. Cientistas que acompanham a estrutura haviam dito que ela cairia de vez sobre a Terra em algum momento entre meados de março e abril e que somente em uma data mais próxima poderiam fazer uma projeção mais precisa. Agora, eles afirmam ter chegado a uma previsão estável, com maior probabilidade para o dia 31 de março — com margem de erro de três dias, para mais ou para menos.

As chances de ser atingido por um detrito espacial da Tiangong-1 são tão pequenas quanto as de você ganhar sozinho um prêmio bilionário na loteria

“Mas onde esse troço vai despencar?” Calma, como a nave descontrolada já vem se deteriorando há algum tempo, muitas das peças remanescentes das 8 toneladas de sua composição devem ser incineradas durante a reentrada da Terra, sem causar maiores danos. Ainda assim, não estão descartados choques de pedaços maiores com seres humanos — o que seria um evento tão improvável quanto ganhar sozinho um prêmio bilionário na loteria.

É preciso também considerar o fato de que muitos dos detritos que alcançarem o solo provavelmente estarão contaminados com resíduos tóxicos do combustível. Essa previsão é extremamente difícil, devido a um grande número de fatores. A queda pode ser afetada por uma série de coisas, incluindo uma recente tempestade geomagnética que aparentemente acelerou sua descida.

As áreas afetadas podem estar entre as latitudes 43 graus norte e 43 graus sul, em regiões da China, do Oriente Médio, da Itália, da Espanha, dos Estados Unidos, da Nova Zelândia, da Tasmânia, da América do Sul e da África. Portanto, se você estiver por aí, justamente nesse período, e vir coisas metálicas caindo do céu, encontre um abrigo e não vá sair tocando nesse material.