Que tal dar uma volta ao mundo em três horas a uma velocidade de mais de 6.000 km/h? Isso pode se tornar realidade caso a China coloque em prática um projeto criado por pesquisadores da Academia Chinesa de Ciências, sediada em Pequim, capital do país.

Um artigo publicado na revista científica  Physics, Mechanics and Astronomy, da editora Science China Press, contém os detalhes do que pode ser uma das formas de locomoção no futuro. De acordo com Cuai Kai, principal autor do texto, seria possível ir de Nova Iorque até Pequim em apenas duas horas.

A equipe de Kai testou um modelo em escala menor dentro de um túnel de vento e conseguiu alcançar velocidades de até 8.600 km/h sem sofrer nenhum dano na sua estrutura. Essa é quase quatro vezes a velocidade do Concorde, que ia da França aos Estados Unidos em menos de quatro horas.

O desenho de um avião.Desenho mostra o design biplano da aeronave.

Embora tenha um design diferente, que resolveu alguns dos problemas encontrados nos aviões hipersônicos projetados anteriormente, ainda existem muitos empecilhos a serem contornados antes que você possa comprar uma passagem no modelo chinês.

A capacidade do avião é um deles. Enquanto um Boeing 737 pode transportar cerca de 200 passageiros, um I-Plane do mesmo tamanho seria capaz de levar apenas 50 pessoas, o que teria um impacto considerável no preço das passagens. Isso acontece por causa da sustentação do avião, que é diferente dos modelos tradicionais.

Ainda devem demorar alguns anos para que esse tipo de tecnologia se torne viável e seja utilizada em mais lugares do mundo, mas o projeto chinês é um bom exemplo das grandes inovações que podem ser esperadas nessa indústria.