Cientistas querem usar ondas gravitacionais para detectar terremotos

2 min de leitura
Imagem de: Cientistas querem usar ondas gravitacionais para detectar terremotos
Avatar do autor

Monitorar pequenas alterações na gravidade da Terra quando algum terremoto acontece pode ajudar a salvar vidas, acreditam cientistas, que publicaram um estudo sobre isso no jornal Science. De acordo com os especialistas, a ideia é usar ondas de gravidade para realizar esse tipo de mensuração.

A proposta dos cientistas foi baseada em análises feitas do terremoto Tohoku, que também foi responsável pelo tsunami que atingiu Fukushima em março de 2011 (considerado o quinto evento mais forte que atingiu o planeta).

Terremoto

O abalo sísmico alcançou 9 graus na escala Richter e causou um estrago tão grande que modificou também a superfície da Terra. Mas o dado mais interessante identificado sobre esse cenário foi a alteração que o abalo causou na gravidade terrestre.

Isso aconteceu por conta da composição interna da Terra, que não é homogênea. Em locais como o atingido por Tohoku, onde o epicentro se deu no oceano, é comum haver esse tipo de modificação na gravidade. Isso porque a movimentação ocasionada pelo terremoto muda as formações rochosas subterrâneas, o que consequentemente acaba deslocando também a água e alterando o nível do mar, afetando, por fim, a força gravitacional da região.

terremoto  mar

Por que tudo isso é importante? Basicamente, sabendo que abalos como o provocado por Tohoku fazem esse tipo de alteração, é possível mensurá-los rapidamente. Dessa forma, cientistas acreditam que poderiam ter avisado as pessoas sobre a intensidade do Tohoku 3 minutos depois de ele começar a agir. Parece pouco, mas é o suficiente para poupar vidas.

Só para você ter uma ideia do quanto esse tempo é bastante: na época do abalo de Fukushima, a Agência Meteorológica do Japão levou 3 horas para detectar o tamanho do desastre. E as estimativas iniciais eram de 7,9 graus de magnitude. O evento resultou em mais de 15 mil mortes.

Como aconteceria

O estudo sugere que sinais gravitacionais viajam a mais de 1,07 milhão de quilômetros por hora e podem ser mais facilmente detectados em estações localizadas em regiões a 1 mil ou 2 mil quilômetros de distância do epicentro. Terremotos possuem um padrão distinto de ondas; sendo assim, elas poderiam ser rapidamente detectadas antes de o desastre realmente acontecer.

terremoto 3

Apesar de ainda não existir uma tecnologia que preveja esses abalos sísmicos, terremotos de magnitude de 8,5 graus ou maiores poderiam ser mais bem identificados com a análise de ondas gravitacionais, dando uma margem maior de tempo para agir.

A proposta de monitoramento é especialmente importante se cruzada essa informação com a de outro estudo, apresentado recentemente à reunião anual da Sociedade Geológica da América, que aponta que em 2018 é possível que tenhamos um aumento no número de terremotos por conta de uma ligeira desaceleração na rotação da Terra.

Categorias

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Cientistas querem usar ondas gravitacionais para detectar terremotos