Talvez você nunca tenha parado para pensar na Física envolvida em uma “ida ao banheiro”, mas sem algumas forças atuantes no processo, não seria tão simples “tirar a água do joelho”.

Nesse caso, a gravidade é uma das forças mais importantes para que tudo saia como planejado. Sem ela, ir ao banheiro seria uma tarefa muito trabalhosa. Afinal, um pouco de descuido e o resto da casa seria invadido por dejetos flutuantes nada agradáveis.

Entretanto, essas são dificuldades enfrentadas por astronautas que passam dias em órbita durante as missões espaciais. Obviamente, a NASA e outras agências espaciais já desenvolveram tecnologias para contornar as dificuldades que surgem em um ambiente de microgravidade.

Confira como astronautas fazem para ir ao banheiro e tomar banho enquanto estão no espaço!

Houston, temos um problema!

Pode ser um pouco constrangedor, e até mesmo nauseante, imaginar o que aconteceria se astronautas usassem um vaso sanitário comum no espaço. Ao puxar a descarga, água, urina e fezes poderiam flutuar pelo interior da nave e contaminar todo o ambiente com bactérias. Sem contar o mau cheiro, que infestaria o ambiente e não poderia ser eliminado com um simples abrir de janela.

Outro fator impactante é a limitação de espaço e peso que a construção do banheiro precisa respeitar para não atrapalhar o desempenho da missão espacial. Por isso, o único toalete a bordo é compartilhado tanto por homens quanto por mulheres. Além disso, ele não possui porta, mas sim uma cortina que deve ser fechada para manter a privacidade do usuário.

Sistema Coletor de Dejetos (WCS), também conhecido como "banheiro" (Fonte da imagem: NASA Quest)

Um detalhe curioso é o fato de que o vaso sanitário que vai ao espaço possui travas e cintos de segurança. Esses acessórios são usados para possibilitar que o astronauta permaneça em contato com o assento e não flutue durante um momento inoportuno. No vídeo acima é possível conferir como o banheiro dos astronautas se parece.

E não se preocupe! Como o ambiente interno dos ônibus espaciais e da Estação Internacional Espacial costuma ser bem barulhento, graças à atividade do ar condicionado e de outros sistemas, é praticamente impossível que algum colega de trabalho ouça os ruídos feitos durante o uso do banheiro.

Uma “descarga” diferente

Como não é possível usar água para se livrar dos dejetos, o toalete dos astronautas conta com a ajuda do ar e do vácuo para manter tudo limpo. Ao urinar, por exemplo, o viajante espacial deve “fazer pipi” dentro de um tubo, que suga o líquido expelido com a ajuda do vácuo.

Muitas vezes, a urina é eliminada no espaço. Porém, os visitantes da Estação Espacial Internacional não desperdiçam o material coletado: depois de um tratamento especial, o xixi dos astronautas se transforma em água potável.

Para fazer o número dois, o processo é um pouco mais complicado. O sistema de coleta de dejetos usa correntes de ar em vez de água. É esse “ventinho” que ajuda a retirar as fezes do vaso sanitário, já que a gravidade não pode fazer o serviço.