A Tesla anunciou há cerca de um ano seus planos a respeito da fabricação de um carro completamente autônomo. Mas alguns entraves engasgam, ainda, o lançamento de veículos capazes de rodar por estradas sem grandes complicações – a própria Google vai demorar ao menos mais meia década para fazer com que seus carros ganhem as ruas (saiba mais aqui). E esta previsão parece corroborar com os planos revelados nesta semana por Elon Musk, CEO da Tesla.

Os apontamentos feitos pelo executivo entram em consonância, desta forma, com as revelações feitas também pela Gigante das Buscas: de acordo com Musk, os sensores de detecção de objetos precisam ainda ser aperfeiçoados. Dispositivos como câmeras e sensores de fato foram melhorados nos últimos anos. O grande desafio é, na realidade, fazer com que estas tecnologias sejam capazes de “tomar as decisões corretas”.

O tempo que deverá ser consumido pelo aperfeiçoamento destes mecanismos, ainda segundo Musk, é de 5 ou 6 anos. Mas outras variantes que estão para além da capacidade de reconhecimento de obstáculos deverão ser tratadas pelas fabricantes de veículos autônomos: o conforto, como um destes pontos, é questão preponderante à Tesla no que se refere ao lançamento dos carros.

“[Os automóveis inteligentes] estarão até 10 vezes mais seguros dentro do período de 6 anos”, afirma o CEO da fabricante. Os passageiros, ainda sob a visão da empresa, deverão ser capazes de executar várias tarefas durante suas viagens. Importante destacar que o Departamento de Veículos Automotores (DMV) da Califórnia tem concedido uma série de licenças de testes a carros autônomos. A locomoção sem a necessidade de operação física de carros será realidade até 2020?