ATUALIZADO: a Ferrari batizou sua nova criação de Aperta e, pra alegria dos aracnofóbicos, nada mais de Spider ou Spyder por aí.

Os carros esportivos já não mais os mesmos de antigamente, isso é fato: se antes a finalidade era acelerar feito um louco e se divertir a rodo com isso, hoje em dia o negócio é aliar estilo e funcionalidade. É por isso que você vê carros como a LaFerrari Aperta por aí.

Ela não é muito diferente de sua precursora que fornecia um teto sobre sua cabeça: o motor é o mesmo V12 6.2 de 800 cavalos que conta com a ajuda de um propulsor elétrico que gera o equivalente a 163 unidades de felicidade, e ainda leva o hiperesportivo de 0 a 100 em míseros 2,5 segundos.

A questão é que, se a LaFerrari original já era maravilhosa, arrancar o teto dela fez com que, de alguma forma, ela ficasse ainda mais bonita. Pode ser a cor, também:

Lógico que não se tratou de um processo simplista de um engenheiro de Maranello vir com uma serra e arrancar um pedaço do carro fora – o que não parece tão absurdo assim quando se trata dos italianos, mas ainda assim.

A parte aerodinâmica da LaFerrari Aperta teve que ser revista por completo para compensar o arrasto criado pelas modificações e o chassi sofreu algumas alterações para manter a rigidez de torção do que a versão com teto. Falando nisso, a versão conversível virá com dois tetos removíveis: um rígido, feito em fibra de carbono, e outro de tecido.

A Ferrari não divulgou o preço do veículo e nem quantos deles serão produzidos, mas isso não deve ser motivo de preocupação para ninguém, já que todas as LaFerrari Aperta já estão vendidas antes mesmo do lançamento oficial que deve acontecer no Paris Motor Show, que acontece em outubro.

Quem sabe na próxima vida?