A segurança dos pilotos ainda é uma preocupação real em boa parte dos setores do automobilismo. Felizmente, para os astros e fãs da Fórmula 1, a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) pode estar perto de chegar a uma solução avançada de proteção a ser aplicada no campeonato da categoria em 2017. Embora o projeto de cockpits semifechados já fosse conhecido de parte do público, apenas na última quarta-feira (2) as primeiras imagens reais da empreitada foram liberadas ao mundo.

Parte da futura “carapaça” protetora a ser aplicada nos carros da F1 foi apresentada na forma de imagens renderizadas em agosto do ano passado, dando uma prévia do que as equipes poderiam ter que implementar em temporadas posteriores da competição. Agora, um artigo extenso na revista digital Auto – produzida pela própria FIA – deu detalhes dos três projetos sendo desenvolvidos com o tema de segurança, mostrando inclusive alguns testes secretos feitos para determinar a resistência e o nível de redução de acidentes com a estrutura.

O primeiro dos conceitos revelados pela federação responde pelo nome de Halo. A armação de metal que se estende da frente do automóvel até um pouco acima das laterais da cabeça do piloto é tida como a preferida da organização de automobilismo, que resolveu dar continuidade ao projeto desenvolvido originalmente pela Mercedes-Benz. A ideia é que suas barras grossas e bem posicionadas consigam resistir a impactos de todo tipo, como objetos atirados na direção do veículo durante as corridas.

Para colocar tudo à prova, um protótipo foi testado contra um canhão de ar que disparava pneus de carros de F1 diretamente no cockpit a nada menos do que 225 km/h. De acordo com Andy Mellor, pesquisador-chefe da empreitada, essa armadura se mostrou bastante eficiente para defletir objetos maiores vindos de praticamente qualquer ângulo – embora peças menores possam acabar chegando ao condutor. Se o conceito for escolhido, porém, o mais provável é que as montadoras optem por materiais mais leves do que o aço usado nessa versão do Halo.

Pensando em alternativas

Apesar de não serem tão populares como o projeto anterior, as outras duas opções de cockpit também trazem ideias interessantes. Uma delas opta por incluir três barras de metal flexível que se projetam por cima do piloto, fazendo com que destroços e peças que impactem contra ela percam a força antes de serem ejetados para o ar novamente. As desvantagens dessa alternativa, no entanto, são grandes, indo desde a obstrução da visão do motorista até o fato de dificultar a retirada dele em acidentes – fora o perigo de objetos voando nas arquibancadas.

Mais uma mudança de design do que um grande conceito de proteção para o esporte, a última solução mostrada pela FIA se resume a algumas “barbatanas” frontais que impedem apenas que pneus e outros componentes jogados diretamente contra a cabeça do condutor sejam expelidos para trás do veículo. O ponto mais positivo dessa ideia é o fato de o campo de visão de quem está atrás do volante não sofrer praticamente nenhuma redução – ganhando uma recepção maior dos próprios atletas.

No fim, a publicação especializada na modalidade automobilística indicou que todos os projetos ficarão à disposição das equipes para testes e sessões de treino. Como ainda estamos no início de 2016, muita coisa pode mudar até a próxima temporada, com chances de haver algum tipo de aperfeiçoamento dos conceitos já existentes ou a adição de soluções criadas pelas empresas envolvidas com a F1.

Você ainda tem o costume de assistir às corridas de Fórmula 1? Comente no Fórum do TecMundo!