The Guardian

Fonte: Yanko Design

Você emprestaria seu o carro para que seu filho de sete anos cruzasse a cidade sozinho? Dificilmente isso seria possível com um veículo comum, mas “The Guardian” dispensa qualquer interação do motorista e garante a segurança de todos. Não é necessário habilitação, idade mínima, estado de consciência ou mesmo a presença de um condutor físico para guiá-lo, basta escolher o destino para que ele se encarregue do resto.

A maior preocupação de qualquer motorista é se tudo ocorrerá bem durante o percurso. Não possuindo qualquer comando para a direção, The Guardian automatiza o deslocamento e permite que todos relaxem para aproveitar o passeio. O conceito de do designer John Bukasa é coberto de janelas por todos os lados e, além de não possuir pontos cegos, não tem uma frente específica.

Ao centro do veículo encontra-se uma generosa tela com as orientações do veículo, jogos e central multimídia. Também é possível salvar as localidades e configurar atalhos, assim, um único botão é capaz de levá-lo até sua casa. Integrado a smartphones, as funções podem ser atribuídas remotamente com a mesma facilidade que você acessa sua agenda telefônica.

 

O material que compõe o veículo varia de acordo com seu tamanho, sendo o maior deles, com capacidade para 7 passageiros, é feito de alumínio. Cada roda possui um motor elétrico e mobilidade completa. As baterias de lítion-íon são alimentadas pela captação solar no teto e podem ser ligadas a qualquer tomada residencial.

A exemplo de outros projetos, a tecnologia visa soltar as mãos dos condutores do volante no futuro. O conceito automatizado aumenta a eficiência das vias urbanas, diminui o tempo entre as distâncias e reduz drasticamente os riscos de acidentes. Resta apenas saber se os motoristas estariam preparados a deixar que seu carro se encarregue do trajeto automaticamente.