O Bitcoin acaba de experimentar uma baixa histórica. Quem tem acompanhado os valores deve ter percebido que a criptomoeda despencou — passando de US$ 880 para US$ 435 em apenas dois dias. Bem, a razão para isso parece saltar à vista. Conforme divulgou o New York Times, uma série de incidentes na China acabou por levar o BTC China (maior bolsa de Bitcoins do mundo) a bloquear depósitos em renminbi (a moeda corrente no país).

A manobra segue a decisão do Banco da China de proibir transações entre bolsas de Bitcoins e outros sistemas de pagamento. “Por razões que todos conhecemos, o BTC China cessará as funções relacionadas a contas em renminbi”, disse a bolsa em comunicado oficial. Não obstante, há a garantia de funcionamento, bem como de depósitos em Bitcoins e saques em moeda chinesa.

“Bitcoin não é uma moeda”

De acordo com jornais chineses, a decisão de proibir transações entre Bitcoins e companhias de pagamento terceiras foi emitida durante uma reunião entre o Banco da China e dez das maiores processadoras do país — entre as quais se encontrava a Alibaba, por conta do seu serviço Alipay.

Segundo informe oficial, a deliberação se deve à “salvaguarda dos interesse e dos direitos de propriedade do público, protegendo a condição legal do renminbi e tomando precauções contra a lavagem de dinheiro e a instabilidade financeira”.

Ademais, um porta-voz da instituição fez questão de reforçar: o Bitcoin não é uma moeda. “Ele não é conduzido por uma autoridade monetária central, ele não tem as propriedades de uma moeda legal e, estritamente falando, não é realmente uma moeda.”

Não se trata da primeira vez que a China atacou moedas digitais. Conforme lembrou o New York Times, o governo do país bloqueou em 2009 todas as transações por meio de uma moeda desenvolvida pela Tencent — uma das maiores companhias de internet do país.

Cupons de desconto TecMundo: