Em março deste ano, você viu aqui no TecMundo que o Solar Impulse 2, um avião equipado com placas que absorvem a energia solar, faria uma série de viagens que durariam dias inteiros na busca de um recorde.

Meses depois (e superando muitas dificuldades meteorológicas), ele conseguiu. O Solar Impulse 2 pousou em segurança no Havaí nesta sexta-feira (3) depois de uma viagem de cinco dias que partiu do Japão e atravessou o Oceano Pacífico. Ao todo, foram 118 horas no ar, o recorde do mais longo voo solo do mundo.

O percurso é considerado extremamente perigoso, ainda mais nas condições do Solar Impulse 2: caso algum problema ocorresse, não haveria terra firme para pouso na maior parte do trajeto. Agora, a ideia é fazer a viagem de volta até Abu Dhabi e percorrer trajetos até cidades norte-americanas, como Phoenix e Nova York. O Oceano Atlântico também está na rota de viagens do piloto, que

Voaremos algum dia com energia solar?

Com velocidade média de 45 km/h (que pode dobrar se o Sol ajudar no dia) e pesando 2,2 toneladas, o avião tem como objetivo mostrar ao mundo como fontes alternativas de energia funcionam e, com um pouco de ajuda e boa vontade, até substituir as substâncias mais tradicionais. Além de absorver luz e usá-la diretamente para fazer o avião funcionar, o Solar Impulse 2 opera durante a noite por uma carga de energia armazenada.

O avião tem apenas um assento, ocupado pelo piloto Andre Borschberg. Ele diz ter praticado ioga para combater os efeitos da falta de movilidade e se manter em forma. O contato era frequente com o copiloto, o suíço Bertrand Piccard, que deve substituir o colega em algumas das viagens.