Um avião com 295 passageiros que saiu de Amsterdã (Holanda) e teria como destino Kuala Lumpur (Malásia) caiu em um território ucraniano. A aeronave é da Malaysia Airlines, a mesma que teve um veículo desaparecido em março de 2014.

Mas a história vai além: de acordo com o Bloomberg, um ministro do governo local disse que o acidente foi um atentado provocado por rebeldes ucranianos, que teriam usado um míssil disparado em terra. O vídeo acima, gravado instantes depois do suposto acidente, mostra algumas pessoas apontando para o local no céu onde o avião teria sido abatido.

O FlightStats, que monitora o andamento de aeronaves, mostra o caminho do voo até o sumiço.

Companhias aéreas e empresas com voos de carga ou transportando passageiros já estão desviando do local do acidente e algumas avisaram que não voltarão a passar pelo espaço aéreo ucraniano.

Os destroços foram localizados em um território chamado de Grabovo, na região de Donetsk, e é possível encontrar rastros do acidente em um raio de até 15 km do local da queda. A agência Reuters já enviou um fotógrafo ao local para produzir algumas imagens, como você pode conferir na galeria.

Deu no Twitter

Outro fato curioso é que as redes sociais foram inundadas com avisos sobre a queda do avião antes de qualquer pronunciamento mais oficial — apenas a jornalistas, pelo site da companhia aérea ou pela televisão, por exemplo. A primeira a dar a notícia foi a agência russa Interfax, sob a mensagem "Uma fonte informou sobre a queda de um Boeing da Malásia na fronteira entre a Rússia e a Ucrânia". Ela foi seguida de outros grandes serviços da área e dos órgãos oficiais envolvidos.

Além da própria Malaysia Airlines, que confirmou ter perdido contato com o voo MH17, a Boeing, fabricante do modelo, avisou que também está buscando novas informaçoes. O primeiro-ministro da Malásia lamentou o ocorrido.

Novos vídeos são postados a cada minuto: no clipe acima, a pessoa responsável pela gravação parece bastante próxima do local da queda da aeronave.