(Fonte da imagem: Reprodução/Sky Whale)

O futuro da aviação pode não ser muito diferente das obras de ficção ou das ideias mais malucas de nossa imaginação. Em breve, o espaço aéreo pode ser ocupado novamente por dirigíveis, como o Aeroscraft, atualmente em etapa final de produção, além de drones e outros meios não tripulados que podem ser utilizados para o transporte de cargas e materiais.

A revolução no setor passa também na construção de veículos mais seguros e econômicos para passageiros, e no que se trata de aviões comerciais a regra parece ser a prioridade pela eficiência e pelo tamanho das aeronaves.

Hoje, o Airbus A380 ainda impressiona qualquer um pela sua dimensão e capacidade. Considerada a maior aeronave em operação, com dois andares para acomodar passageiros, o modelo de classe única permite até 853 pessoas no veículo, enquanto sua versão com três classes comporta 525 passageiros.

Porém, o projeto do designer espanhol Oscar Vinals pode superar a estrutura do Airbus. O desenho do seu AWWA Sky Whale prevê uma aeronave com três pisos de bancos, e pela sua altura e curvatura, a aeronave parece uma baleia gigante a navegar pelos céus.

Tamanho é documento

No que se diz respeito às linhas comerciais, a tendência é optar por veículos cada vez maiores. Aeronaves capazes de transportar mais passageiros permitem que as companhias aéreas ofereçam tarifas reduzidas e mais em conta a seus clientes.

A era dos jatos conta, além do Airbus A380, com o Boeing 747, modelo da empresa norte-americana que pode levar até 585 passageiros a bordo. Quanto mais poltronas ocupadas por voo, mais barata pode ser a passagem cobrada pelas companhias.

(Fonte da imagem: Reprodução/Sky Whale)

Oscar Vinals, o designer do Sky Whale, colocou seus conhecimentos e sua imaginação no planejamento da aeronave: “Sou um entusiasta da aviação e queria contribuir, com a minha visão, para a tecnologia, desenvolvimento e evolução do setor”.

De acordo com o Dr. Michael Jump, professor de engenharia de aeronaves da Universidade de Liverpool, o que falta à indústria é justamente essa capacidade de revolucionar o design dos veículos, o que o olhar de alguém de fora pode contribuir muito.

O acadêmico acredita que uma das maneiras de melhorar os modelos de aviões é desafiar a imaginação, perseguir boas ideias e analisar o que pode ou não funcionar em termos de eficiência aerodinâmica e econômica.

Liberado para decolagem

Pelas leis que regem o mercado, as companhias aéreas preferem veículos que podem voar grandes distâncias, o tanto quanto for possível, com a maior carga (ou o maior peso combinado de passageiros), usando o mínimo de combustível para isso.

Se um novo projeto conseguir combinar esses três fatores, será tecnicamente um design mais avançado e eficiente de aeronave. As grandes fabricantes procuram sempre melhorar essa equação, mas em geral se mantêm firmes aos modelos confiáveis, testados e aprovados.

Nos aspectos técnicos, um avião pode ser avaliado pela força de propulsão dos seus motores, pelo conjunto aerodinâmico (em maximizar a sustentação e minimizar a turbulência e o rastro) e pela capacidade de carga da estrutura.

(Fonte da imagem: Reprodução/Sky Whale)

No caso do Sky Whale, o projeto contaria com as mais avançadas tecnologias, como materiais que reparam o desgaste do material nas asas da aeronave, propulsão híbrida e motores giratórios que permitiriam a decolagem em linhas quase verticais. O modelo teria também um sistema de redirecionamento do fluxo do ar para diminuir a turbulência e o rastro do avião.

Nenhuma dessas tecnologias é viável ​​em larga escala no momento, mas tudo é possível, diz Vinals , o proponente do novo veículo.

Contratempos

Apesar de Vinals acreditar na importância da imaginação para o desenvolvimento de novos veículos, especialistas da área são um pouco mais céticos em relação ao projeto. O professor do departamento de aeronáutica do MIT Mark Drela diz que os aviões têm a forma que têm “não por uma decisão estética, mas por questões técnicas”.

A forma cilíndrica é necessária para conter a pressão, o que a aeronave precisa para transportar os passageiros em alta altitude. Por essa razão, Drela duvida que o Sky Whale seja eficiente: "É mais um conceito estilístico", diz ele.

Além disso, para um fabricante vender uma nova aeronave, ele tem que demonstrar que o veículo é seguro. Os regulamentos de segurança têm evoluído ao longo do tempo, e é mais difícil provar a segurança de um modelo que modifica radicalmente o design convencional dos aviões.

De acordo com Drela, as aeronaves comerciais têm uma série de configurações e exigências para equilibrar todos os fatores corretamente, sem perigo para passageiros e tripulantes. Pode ser que não estejamos tão próximos de uma revolução no meio de transporte aéreo, mas é bom pensar que há pessoas imaginado um futuro novo e diferente.