(Fonte da imagem: Reprodução/Boeing)

No começo da polêmica, parecia que o modelo 787 da Boeing não decolaria novamente tão cedo, mas a novela parece ter encontrado um fim: a Administração Federal de Aviação (FAA), órgão do Departamento de Transportes dos Estados Unidos, aprovou as mudanças propostas pela fabricante para que a aeronave volte a circular.

Em um comunicado oficial, a FAA confirmou que as mudanças no design do modelo servem para que a aeronave não apresente mais problemas. Novos sistemas de contenção e ventilação serão instalados nas baterias principal e auxiliares – e tanto as fontes de energia quanto os carregadores serão trocados por peças com componentes mais modernos.

O “novo velho” 787

Segundo a Boeing, a nova tecnologia não permite que as baterias atinjam altas temperaturas ou provoquem falhas de sistema ou incêndios, já que elas dissipam a energia lentamente por canais separados. Anteriormente, os componentes chegavam a até 300 °C durante as falhas.

(Fonte da imagem: Reprodução/Boeing)

Como cada aeronave leva cinco dias para ficar pronta e é necessário transportar todas as peças e treinar os pilotos da frota Dreamliner, a expectativa é de que todos os modelos estejam prontos até o final deste ano – mas alguns já podem ganhar novamente os céus ainda mais cedo.