Grupo hacker retirou do ar 40 sites de pedofilia e divulgou lista de supostos utilizadores (Fonte da imagem: Divulgação)

Em comunicado, membros do grupo Anonymous afirmaram ter retirado do ar serviços que armazenavam pornografia infantil. A nova onda de ataques faz parte da chamada “Operação Darknet”, que visa o combate à pornografia infantil na internet. Além de retirar os serviços do ar, os hackers também divulgaram nomes de mais de 1,5 mil usuários suspeitos de acessarem o conteúdo.

Os ataques ocorreram na última semana e, de acordo com o texto publicado pelos hackers, derrubaram o servidor Freedom Hosting, no qual estavam hospedados 40 sites com pornografia infantil. O grupo teria alertado aos mantenedores do serviço para que deletassem seu conteúdo e, como isso não ocorreu, realizaram o ataque.

A principal baixa no lado dos pedófilos foi a derrubada de um site que, de acordo com o Anonymous, continha mais de 100 GB de conteúdo envolvendo pedofilia. Após ser retirado do ar, o Freedom Hosting restabeleceu todo o material por meio de restauração de backups, mas novamente foi derrubado e passou a ser considerado o “inimigo número 1” da Operação Darknet.

Freedom Hosting é um servidor que usa o domínio .onion para ser acessado. Esse tipo de domínio garante certa privacidade para quem o utiliza, porém, só pode ser acessado via rede TOR. No comunicado, o Anonymous informa que sua demanda é bem simples, pedindo apenas para que seja removido “todo o conteúdo de pornografia infantil de seu servidor”, e avisa ainda que o alvo da operação não é apenas o Freedom Hosting, mas sim “cada um na internet”.