Um relatório publicado por agências de inteligência norte-americanas revelou algo que promete gerar muita polêmica. Segundo elas, hackers russos teriam agido durante as eleições norte-americanas com o objetivo de prejudicar a campanha de Hillary Clinton e, por sua vez, aumentar as chances de vitória de Donald Trump.

A afirmação teria como base outra descoberta bastante curiosa. O fato é que os hackers russos teriam conseguido se infiltrar tanto nos sistemas do comitê do partido Democrata quanto do Republicano nos EUA. Dos dados adquiridos, no entanto, apenas as informações dos democratas foram vazadas nos meses seguintes ao ataque – possivelmente, segundo eles, após os hackers entregarem apenas o conteúdo desse partido ao WikiLeaks.

Invadiu ou não?

Antes que você pense que um caso desses não deixa dúvidas, é importante notar que os republicanos contam uma história diferente. De acordo com o partido, as redes usadas pelo comitê não teriam sido comprometidas nos últimos meses, apenas com ataques focados em republicanos específicos. Um funcionário sênior do governo, por sua vez, afirma que houve ataques, mas nenhum deles teve sucesso.

Obviamente, o próprio Trump não poderia deixar de dar sua palavra sobre o assunto. Através de seu escritório de transição, o futuro presidente fez piada das acusações na última sexta-feira (9). “Essas são as mesmas pessoas que falaram que Saddam Hussein tinha armas de destruição em massa”, declarou. “A eleição acabou um longo tempo atrás em uma das maiores vitórias de Colégio Eleitoral da História. Agora é hora de seguir em frente e ‘Fazer da América Grande Novamente’”, continuou.

"Nós agora temos grande confiança de que eles hackearam o Comitê Nacional Democrata e o Comitê Nacional Republicano, e conspicuamente não lançaram documentos"

Novamente, por outro lado, as agências de inteligência dizem exatamente o contrário: o relatório, que teria sido apresentado ao próprio Presidente Obama, demonstra que os esforços tiveram sucesso. Isso, é claro, gera uma boa dose de dúvidas sobre os objetivos do governo russo com a eleição presidencial nos EUA.

“Nós agora temos grande confiança de que eles hackearam o Comitê Nacional Democrata e o Comitê Nacional Republicano e conspicuamente não lançaram documentos”, afirmou um dos funcionários envolvidos no relatório.

Para ajudar Trump ou atrapalhar as eleições?

É importante dizer que, embora afirmem que os ataques realmente ocorreram, não se sabe quantos arquivos foram roubados do comitê republicano. Também não está claro se o ataque realmente teve o objetivo de ajudar Trump; muitos da agência de inteligência, de fato, acreditam que essa pode ter sido apenas uma tentativa dos russos de atrapalhar as campanhas como um todo e diminuir a confiança do público nas eleições.

Como esperado, Trump também se mostra descrente quanto às afirmações. “Eu não acredito que eles interferiram”, afirmou ele à revista TIME, com relação a possíveis ações russas. Para Trump, os hackers podem tanto vir da China como poderiam "ser algum cara em sua casa em Nova Jersey.”

Seja qual for o lado que está certo, as descobertas sobre o comitê republicano e o ataque hacker devem ser incluídos em um relatório pedido pelo Presidente Obama às agências de inteligência antes que ele deixe o cargo. A ideia, com isso, é criar um histórico compreensivo de como a Rússia teria tentado influenciar nas eleições dos EUA.

Cupons de desconto TecMundo: