A Apple não é a primeira empresa a lançar um relógio inteligente no mercado. Entretanto, mesmo os concorrentes são unânimes em afirmar que a entrada da empresa no segmento é uma forma contundente de consolidar o novo mercado.

Pouco mais de um mês após o seu lançamento nos Estados Unidos, foram vendidos mais modelos de Apple Watch por lá do que todos os outros smartwatches somados em 2014. Essa é uma prova de que o modelo despertou o interesse dos consumidores pela nova tecnologia, mas isso não significa que o setor atingiu a perfeição.

A equipe do TecMundo analisou de forma detalhada a versão com case de alumínio de 42 milímetros e pulseira Milanese Loop. O modelo é um dos intermediários entre as 38 opções disponíveis para o consumidor, em preços que variam entre US$ 349 e US$ 17 mil. Será que vale a pena investir o seu dinheiro em um Apple Watch? Isso é o que nós vamos descobrir agora nesta análise.

Escolhendo o seu Apple Watch

Basicamente, antes de comprar um Apple Watch você precisa fazer uma escolha: o modelo com case de 38 milímetros ou com case de 42 milímetros. Em termos de hardware praticamente não há diferença. Na prática, o que muda é o tamanho do display AMOLED (1,34 polegadas na versão de 38 milímetros e 1,54 polegadas na versão de 42 milímetros) e a resolução de tela (272x340 pixels no modelo menor contra 312x390 pixels no modelo maior).

Existem três linhas principais de produto: a Apple Watch Sport, com um total de 10 modelos, é a que apresenta os aparelhos mais baratos, com preços entre US$ 349 e US$ 399. Todos contam com pulseiras de borracha (são cinco opções de cores) e case de alumínio prata ou cinza (space gray).

Já a linha Apple Watch é a que conta com o maior número de variações: 20 modelos no total. Todos eles contam com case em aço inoxidável e há pulseiras de borracha, de couro ou metal. Nesse caso, os preços variam entre US$ 549 e US$ 1.099.

Por fim, há ainda a linha Apple Watch Edition, com oito modelos de luxo. O destaque aqui fica por conta do material do case, que conta com ouro 18 quilates. Há variações de material nas pulseiras – borracha e couro – e os preços iniciam em US$ 10 mil e podem chegar até os US$ 17 mil.

O Apple Watch é compatível com os modelos de iPhone lançados a partir do 5. Portanto, é possível pareá-lo com um iPhone 5, iPhone 5S, iPhone 5C, iPhone 6 ou iPhone 6 Plus. Não há compatibilidade com o iPad ou o iPod Touch.

Design

Com visor retangular, a Apple optou por manter um padrão no aparelho que remete ao visual do iPhone 6. Ao lado direto do case há dois botões físicos: um deles funciona com um atalho direto para os seus contatos favoritos e o outro é a chamada “coroa”, que permite controlar funções específicas do software do relógio.

Extremamente leve, o modelo se destaca pelo seu design e, inegavelmente, é um dos relógios mais bonitos entre os smartwatches disponíveis no mercado. As pulseiras são removíveis e, futuramente, será possível comprar outras variações diretamente na loja da Apple. A ideia é que o Apple Watch cada vez mais se torne um acessório de design no seu pulso. Vale lembrar que o relógio é à prova d’água.

Tela

O display retangular pode não ser o mais usual em relógios, mas ele funciona muito bem para a proposta do Apple Watch. O modelo que testamos é o com tela maior, de 1,54 polegada, e sua sensibilidade ao toque se mostra bastante precisa. A tela AMOLED é mais do que suficiente para a exibição de todas as funções do aparelho.

É possível controlar a intensidade de brilho e há funções de ativação automática da tela a partir de movimentos do pulso. Mesmo sob a luz do sol, é possível conferir as notificações na tela com tranquilidade.

Desempenho

Em termos de desempenho, ao menos em nossos testes, o Apple Watch se saiu muito bem. Entretanto, vale lembrar que ele funciona muito mais como um espelho daquilo que é instalado no celular. Como um atalho para as mais diversas funções ele funciona muito bem, sem atrasos no tempo de resposta aos comandos e com um recurso chamado force touch, tecnologia que permite reconhecer a intensidade dos toques na tela.

Interface

O WatchOS é o sistema operacional do Apple Watch. Ele é bastante similar ao iOS, dos iPhones, e prima por um uso bastante intuitivo. A principal adição ao mundo dos smartwatches é o botão lateral em forma de coroa, uma solução inteligente para dar zoom in ou zoom out na interface ou ainda servir como rolagem em alguns menus.

Deslizando os dedos para cima você tem acesso às notificações. Para baixo, é possível conferir os widgets do sistema. Pressionando o botão coroa o usuário é direcionado para a interface principal, a home em que estão listados todos os aplicativos instalados. As soluções encontradas pela empresa são satisfatórias e a usabilidade é um dos pontos fortes do aparelho.

Bateria

Segundo a Apple, a duração de bateria do aparelho pode chegar a 18 horas. Em nossos testes, em uso moderado, em várias ocasiões chegamos a ultrapassar esse tempo, mantendo apenas notificações ligadas. Contudo, caso você opte por utilizar bastante os aplicativos via smartwatch, a duração de bateria cai de forma significativa: pouco mais de 12 horas bastam para a carga se esgotar por completo.

Comprando o modelo da Apple com relógios de outras fabricantes, os resultados são bastante similares: o Apple Watch não é nenhum primor nesse quesito, mas também não decepciona. Mas uma coisa é certa: você vai ter que carregar o aparelho todos os dias. A boa notícia é que o tempo para recarga completa não passa de uma hora.

Vale a pena?

Ainda indisponível no mercado brasileiro, o Apple Watch em números de vendas já é o principal produto da categoria. Isso não significa que ele seja o relógio inteligente ideal. Na verdade, todos os smartwatches disponíveis no mercado ainda são muito dependentes dos celulares – o que os torna uma espécie de espelho dos smartphones.

O Apple Watch permite funções como envio e recebimento de notificações em vários apps, ligações, mensagens de texto, além de servir como um assistente pessoal para mensurar dados como distância percorrida e calorias queimadas. A integração com a Siri é outro ponto positivo que merece destaque.

Em seus modelos mais simples ou até mesmo em algumas das versões intermediárias, o Apple Watch é sem dúvida uma boa opção de compra para aqueles que utilizam um iPhone. Entretanto, ao menos por enquanto, pagar mais de US$ 600 em um smartwatch não parece ser uma boa ideia, já que sua utilização ainda não justifica o investimento.

Vale lembrar que na segunda geração do Apple Watch muitos dos seus problemas devem ser resolvidos. A Apple já confirmou que o Apple Watch 2 será mais independente e terá o SO mais aberto. Portanto, a menos que você esteja muito ansioso para tê-lo em suas mãos, no momento vale a pena esperar pela segunda versão do aparelho.

Ao menos por enquanto, não há previsão de data de lançamento do Apple Watch no Brasil. No momento do fechamento desta análise, o relógio inteligente da Apple estava disponível para venda somente nos Estados Unidos.

Cupons de desconto TecMundo: