A Xiaomi prometeu e cumpriu. A fabricante chinesa apresentou seu mais novo produto nesta terça-feira (10), o Mi Max, cujo nome foi uma escolha dos fãs. De quebra, também foi revelada a nova versão da skin do Android da empresa, a MIUI 8.

O smartphone será vendido em diferentes configurações, de acordo com a necessidade (e as economiasa) do consumidor. Por enquanto, ele apenas foi apresentado na China, mas logo deve chegar a outros mercados que contam com a cobertura da Xiaomi.

Vale lembrar que, apesar de todos os esforços iniciais, a empresa não conseguiu emplacar no Brasil por diversos motivos e pode até encerrar ou reduzir bastante o alcance da marca no país.

Tamanho é documento

O grande destaque do aparelho é o tamanho: uma tela monstra de 6,44" que, estranhamente, não teve a resolução revelada pela Xiaomi — e isso pode ser uma jogada de marketing ou medo de críticas.

A boa variedade de configurações diferentes é uma ótima notícia, com o modelo mais "parrudo" sendo um phablet de respeito, especialmente pela alta quantidade de armazenamento interno. A capacidade da bateria não significa exatamente que ela dura bastante, mas o número do Mi Max é alto o suficiente para tranquilizar quem precisa do aparelho funcionando por bastante tempo.

O dispositivo apresenta ainda uma alta conectividade com dispositivos de outras marcas (usando a tecnologia infravermelha e o app Mi Remote), além de ser Dual-SIM e contar com um sensor biométrico.

Especificações técnicas

  • Sistema operacional: Android Marshmallow 6.0 com MIUI 8
  • Tela: 6,44"
  • Processador: Qualcomm Snapdragon 650 ou Snapdragon 652
  • Memória RAM: 3 GB ou 4 GB
  • Armazenamento interno: 32 GB, 64 GB ou 128 GB (suporta cartão microSD)
  • Câmera: 16 MP (traseira) e 5 MP (frontal)
  • Bateria: 4.850 mAh
  • Conectividade: 4G LTE, infravermelho, WIFi, Bluetooth 4.1, Dual-SIM
  • Medidas: 173,1 x 88,3 x 7,5 mm
  • Peso: 203 g

O Mi Max será vendido em três configurações:

  • 3 GB de RAM com 32 GB e Snapdragon 650 (US$ 230)
  • 3 GB de RAM com 64 GB e Snapdragon 652 (US$ 260)
  • 4 GB de RAM com 128 GB e Snapdragon 652 (US$ 305)

E tem ainda a MIUI 8

A skin para Android MIUI 8 também foi apresentada pela Xiaomi e deve ser um dos carros-chefe de todos os próximos aparelhos da empresa. Ela traz um visual só levemente modificado em relação à versão anterior, mas várias novidades em funções e atualizações em apps.

O "Notes", por exemplo, agora pode ser ativado com o sensor biométrico e recebeu novos templates. Já o "Calculator" tem novas opções de contas avançadas e conversões. Na galeria de imagens, finalmente é possível selecionar várias fotos de uma vez, enquanto o scanner de QR Codes e códigos de barras ficou bem mais completo.

Uma das novidades é o Power Saving Mode, que congela a atividade de apps em segundo plano, suspende sincronia de dados, atualizações e tarefas nos bastidores — tudo para garantir minutos a mais de energia. Apps que não são essenciais para o sistema agora não são iniciados automaticamente, reduzindo a lentidão na navegação em geral pelo aparelho. Gerenciamento de multijanelas e detecção de spam, fraude ou golpes em mensagens recebidas também estarão inclusos.

O Beta da MIUI 8 começa em 1º de junho na China, enquanto a ROM para desenvolvedores sai no dia 17 do mesmo mês. Dispositivos Redmi e Mi Note na totalidade e os Mi 2, 2S, 3, 4, 4C, 4S, 5 e Max suportarão a nova skin.

O que você achou do novo phablet da Xiaomi, o Mi Max? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: