A Microsoft tem o típico semblante da empresa burocrática e sistemática, mas sempre foi colaborativa. Agora, a companhia de Bill Gates liberou mais poder de CPU aos desenvolvedores que trabalham no Xbox One. Esse é um dos esforços que a empresa aplica a uma de suas divisões mais importantes da atualidade.

A apuração foi feita pela equipe da Digital Foundry, do Eurogamer, que teria analisado o dev kit de software do console. De acordo com o site, a Microsoft liberou acesso a um núcleo adicional de processamento (de um total de oito).

“50% a 80% de um sétimo núcleo” e “performance melhor que o PS4”

Nesse último SDK, revela o portal, os desenvolvedores podem acessar “50% a 80% de um sétimo núcleo”. “Isso pode parcialmente explicar por que uma pequena quantidade de títulos multiplataforma lançados no último trimestre de 2014 tinham vantagens de performance sobre os elementos do PS4 em certos cenários”, diz o site.

O poder adicional, no entanto, tem um preço. Os jogos não podem utilizar comandos de voz personalizados, e algumas funções do sensor 2.0 do Kinect ficam desabilitadas. O acesso ao sétimo núcleo é arriscado porque comandos de voz relacionados ao sistema podem ter metade de sua capacidade debilitada.

E a segurança do sistema?

O fato de  o SDK ter vazado levantou uma questão: e a segurança do sistema? Uma vez que muitos teriam agora acesso a essa informação (inclusive hackers/crackers), ela poderia ser comprometida? “A verdade é que o Xbox One é tão seguro agora quanto era antes do vazamento”, diz o Digital Foundry.

Independentemente disso, é interessante observar que o poder de processamento do Xbox One é cada vez mais “descoberto” – e só o futuro dirá de que forma isso pode se desdobrar, pois as arquiteturas de PS4 e Xbox One definitivamente são diferentes, apesar dos hardwares parecidos.

Cupons de desconto TecMundo: