Imagem de Kirby and the Forgotten Land
Imagem de Kirby and the Forgotten Land

Kirby and the Forgotten Land

Nota do Voxel
90

Kirby and the Forgotten Land reforça a grandeza do mascote rosa

Pra mim, Kirby é um dos personagens mais subestimados do vasto repertório de mascotes da Nintendo. Digo isso porque a bolota esbanja carisma desde os tempos de Kirby's Dream Land, primeiro título da série lançado para Game Boy em 1992, mas nunca teve o mesmo prestígio de um Link ou Donkey Kong — citar Mario aqui seria um tanto injusto. O que se pode perceber é que Kirby não é tão falado, nem mesmo pelos fãs da Nintendo. Vocês também têm essa impressão?

Kirby surgiu numa época em que os jogos de plataforma em side-scrolling exigiam precisão absoluta no controle e proviam um sentimento de realização pessoal indescritível como moeda de troca. Ao invés de surfar nessa mesma onda, Kirby, concebido pelo estúdio japonês HAL Laboratory, optou por criar uma proposta “terapêutica”, mais casual, capaz de cativar o jogador do começo ao fim com mecânicas acessíveis e desafios simplificados. Diversão sempre foi a palavra de ordem.

Depois de quase 30 anos, é curioso notar que a franquia continua acolhedora a todos os públicos e ainda se esforça para banir a palavra frustração de seu dicionário. Kirby and the Forgotten Land dá continuidade ao legado: é um memorável e relaxante passeio pelo que há de melhor no gênero de plataforma 3D, amparado pela magia da Nintendo.

Os obstáculos são agradáveis, equilibrados e excedem a capacidade inventiva da Big N, tal como em Super Mario Odyssey, mas nunca subestimam a inteligência de quem está jogando. Confira a análise de um dos exclusivos mais aguardados do Switch:

Kirby na tela é sorriso no rosto

É de se admirar que Kirby and the Forgotten Land torne tão espontâneo o ato de sorrir, seja nas fases cujos desafios se renovam a cada esquina ou nos pequenos detalhes, como a gentileza do protagonista ao cumprimentar cada Waddle Dee da cidade ou a felicidade de uma mamãe pata ao reencontrar seus filhotes graças à ajuda da bola rosa.

Da inesquecível introdução, aquela em que Kirby engole um carro, ao momento em que ele se reencontra com o Rei Dedede, absolutamente tudo foi pensado para que o jogador sorria e se sinta convidado a conhecer o mundo no qual o herói foi inserido.

Fonte:  Voxel 

Como você deve imaginar, a história não é o foco e só serve mesmo para justificar os itens que o mascote rosa deve coletar pelas fases, mas confesso que me interessei por ela. Em Forgotten Land, o redondo protagonista é levado a uma outra realidade a partir de uma fenda dimensional. É nesse lugar desconhecido que Kirby ganha novos poderes e parte rumo à jornada de resgatar os adoráveis Waddle Dees, aprisionados por uma entidade maligna, e reconstruir a cidade em que vivem.

No decorrer da aventura, Kirby recebe a ajuda de um ser místico, o Elfilin, que atua como guia e dá dicas valiosas ao nosso personagem, também protagonizando alguns dos principais diálogos. O Elfilin, inclusive, cumpre um papel fundamental na trama, que se revela nos trechos finais — bom, vamos parar por aqui para não estragar a surpresa de ninguém.

É com esse pano de fundo que Kirby se vê no dever de colaborar com os Waddle Dee para, quem sabe, retornar ao seu planeta natal. Fiquei positivamente surpreso com o desfecho e posso afirmar com tranquilidade que estamos diante de um dos melhores finais dentre todos os games da série, o que inclui uma cena de encerramento capaz de arrancar lágrimas, acredite se quiser — de novo: não vou me aprofundar tanto neste texto para evitar spoilers.

Fonte:  Voxel 

Como é de praxe em produções maiores da Nintendo, Kirby and the Forgotten Land não traz textos em português brasileiro, algo que pode dificultar o entendimento de muita gente, já que a camada de jogadores que ele pretende atingir é mais ampla. Ainda que haja pouca conversa, pois o coração do jogo reside no gameplay, a localização ao nosso idioma faz falta.

Combate com novas nuances, upgrades e duração

Pelo fato de Forgotten Land ter abandonado a perspectiva 2.5D dos games anteriores, o combate, principal elemento de qualquer Kirby, ganhou novas nuances. A possibilidade de poder realizar ataques em 360 graus torna os confrontos mais dinâmicos, exigindo que você preste mais atenção ao que acontece nas proximidades, especialmente nos encontros com os chefões.

Mas não, você não terá dificuldades para vencer os obstáculos do jogo, não há trechos escabrosos que te façam repetir as fases nem nada do tipo. Como mencionei no começo desta análise, Kirby segue com uma proposta "terapêutica", isto é, que carece de desafio por opção. Há dois modos aqui: o Wild, equivalente ao difícil, com dano amplificado dos inimigos, e Breeze, a experiência padrão, suavizada para jogadores inexperientes.

Fonte:  Voxel 

Terminei o jogo no Wild, no “difícil”, com 11 horas e 59% de conclusão, tendo feito só o básico e morrido somente três vezes no último planeta. Esse tempo dobra se a sua intenção for fechar o título com 100%, estimo que pode levar de 20 a 25 horas. Apesar de o modo difícil ser fácil, mais fácil do que eu gostaria, a fase final tem um desafio e destoa das demais, mas nada que comprometa o ritmo.

De volta à pauta do combate, Kirby não apenas consegue engolir inimigos para absorver seus poderes, mas também está apto a evoluir suas habilidades, o que faz com que o visual da transformação mude completamente. A existência de um ferreiro é uma das grandes novidades de Forgotten Land e assegura algumas horas a mais de jogatina, tendo em vista que você precisa encontrar diagramas escondidos pelos ambientes para desbloquear os upgrades. Saiba que nada é dado de mão beijada.

Todas as melhorias requerem moedas e pedras raras, as estrelas, que geralmente são obtidas nas fases bônus de cada mundo. Trata-se de uma maneira inteligente de incentivar o jogador a visitar (e revisitar) esses estágios opcionais que, cá entre nós, são tão divertidos quanto as áreas principais. Além de elevar o dano da transformação e repaginar a sequência de ataque, o aprimoramento de uma habilidade de cópia sempre modifica a skin da bola rosa.

Fonte:  Voxel 

É legal ver os poderes que conhecemos com uma roupagem inédita, proporcionando mais variedade a um combate que, à época de Kirby Super Star, clássico do Super Nintendo, já era diversificado o bastante — e é ainda mais bacana saber que existe um sistema de progressão para nos estimular a sair da rota principal.

A criança come de tudo

É impressionante a capacidade da Nintendo de desabrochar sua criatividade em jogos de plataforma. Por mais absurdo que seja, o guloso rosado agora inala objetos do mundo real, de escadas e carros a cones e máquinas de refrigerante, para adquirir novas formas geométricas a partir do Mouthful Mode — quem acompanhou as divulgações de Forgotten Land até aqui sabe.

O slogan “fique confortável e engula tudo… literalmente”, disponível na página oficial do game no Brasil, pode soar estranho, mas é real. É preciso intercalar entre diferentes objetos e transformações se a sua ideia for obter as centenas de Waddle Dees escondidos em cada cantinho. Ora você vai estar planando no ar, ora pilotando uma lancha, ora inflado com água, como uma bexiga, para apagar incêndios e abater sapos venenosos.

Fonte:  Voxel 

Há uma variedade enorme de desafios e segredos a serem descobertos, todos planejados com esmero para preservar a empolgação do jogador. Confia: não dá tempo de enjoar, o gameplay tem o “timing” perfeito e sempre sabe o momento certo de propor coisas novas, de costurar o uso das habilidades de cópia com os objetos. É notável o cuidado que a desenvolvedora teve na hora de “juntar todas as peças”, as mecânicas, de modo a encaixá-las delicadamente em prol do ritmo.

O mágico Mouthful Mode, que é onde Forgotten Land brilha, nos remete rapidamente à jogabilidade do Cappy, o chapéu de Super Mario Odyssey, que permite ao protagonista bigodudo possuir diversos inimigos. Essa é mais uma daquelas ideias absurdas que deram certo, o tipo de maluquice que só a Nintendo sabe executar com maestria.

O escopo é mais ambicioso

A atmosfera despretensiosa e o gameplay simples resguardam o verdadeiro desafio: a exploração. Como o escopo de Forgotten Land é claramente maior que o de Star Allies, o game anterior, os cenários são mais largos e verticais, sendo que alguns até têm a estrutura de um pequeno mundo aberto.

Fonte:  Voxel 

Os planetas têm missões secundárias que concedem Waddle Dees como prêmio. Cada mapa exige um número específico de bichinhos para que você consiga avançar à próxima área, então será preciso cumprir uma ou outra meta opcional, por mais que o seu objetivo seja seguir só a história. Embora o game seja um “passeio no parque” de tão fácil, coletar todos os Waddle Dees requer paciência e determinação, pois o level design primoroso, que interliga diferentes trechos, garante que tudo esteja muito bem escondido.

Devo ressaltar que os objetivos opcionais de uma mesma fase não são as únicas distrações de Kirby. Conforme citei no começo desta análise, há fases opcionais que destravam as estrelas, que são os itens usados para melhorar as transformações absorvidas. Portanto, além dos mapas principais, há sete ou oito estágios extras a serem desbravados em cada mundo, sendo que cada um deles oferta o seu próprio desafio de tempo.

O difícil é não se impressionar com as belíssimas regiões, cada qual com sua temática, de praias paradisíacas a zonas polares, de desertos escaldantes a centros urbanos e parques de diversão. Descrevendo assim, a ambientação pode até parecer genérica, mas não é. Os mapas têm uma identidade visual única, ainda que pertençam ao mesmo tema. No Originull Wasteland, por exemplo, você terá a chance de vasculhar oásis, hotéis no meio do deserto e ruínas, então a paisagem não se resume à vastidão de areia. Logo, fica evidente que há pouquíssimos elementos reaproveitados. Todas as fases carregam o sentimento de algo novo.

Fonte:  Voxel 

Comentar sobre as limitações do Switch é chover no molhado, mas Kirby and the Forgotten Land coloca o hardware do console híbrido para trabalhar como gente grande. O visual é charmoso, moderno e enche a tela de cores, igualando-se às grandes produções da Big N (as que são protagonizadas por mascotes) no quesito excelência técnica. Aliás, não identifiquei problemas na parte gráfica que valem ser mencionados, apenas uma ou outra textura de baixa resolução aqui e ali.

Só faltou um pouquinho mais de recheio

Não é segredo para ninguém que os títulos da franquia Kirby não tem um alto fator replay, historicamente falando — você chega aos 100% e engaveta o jogo sem olhar para trás. Forgotten Land não foge muito do que a série está acostumada a oferecer em termos de conteúdo. Não me entenda mal: a qualidade das 20 (talvez 25) horas desta brilhante jornada é altíssima, mas talvez você tenha que guardá-la na prateleira antes do previsto se a sua expectativa é ter as 60 horas (ou mais) de um Super Mario Odyssey.

As atividades do pós-jogo se resumem a microgames — o que inclui a pescaria e um divertido “bico” na cozinha de Waddle Dee Town — e itens colecionáveis obtidos em máquinas de Gashapon (você insere a moeda na máquina, gira a manivela e adquire um brinde sortido). Já que toquei no assunto, a cidade evolui e apresenta NPCs à medida que Kirby resgata novos amiguinhos. É com esses personagens secundários que você pode, por exemplo, comprar itens consumíveis e fortalecer temporariamente os atributos da bola rosa.

Fonte:  Voxel 

O destaque, a meu ver, é o tradicional Colosseum (embora cada game o nomeie de um jeito), em que Kirby participa de campeonatos encarando chefes em sequência. O formato é mais ou menos o mesmo dos games anteriores, só que aqui você terá mais opções de torneios e habilidades. Considerando que temos um combate soberbo, nada mais justo que usufruir dele em um modo voltado unicamente à pancadaria.

Por fim, mas não menos importante, a história pode ser desfrutada em modo cooperativo local com outro jogador assumindo o papel de Bandana Waddle Dee, um velho amigo de Dreamland. Jogar em co-op é pura diversão, mas seria ainda melhor se tivessem colocado uma opção on-line, já que nem todo mundo tem com quem compartilhar os Joy-Cons.

Veredito

Se você ainda precisa se convencer de que a bolota rosa merece uma cadeira cativa no time titular de mascotes da Big N, aqui está um fato para te fazer aceitar a realidade: Kirby and the Forgotten Land não só é o que há de melhor na franquia como também é um dos games de plataforma mais inspirados dos últimos tempos, reafirmando o redondíssimo herói como uma das peças-chave da Nintendo.

Fonte:  Voxel 

Relaxante, inteligente e heterogênea, com doses niveladas de combate, exploração e plataforma, a nova aventura de Kirby é puro “nintendismo”, trazendo boas horas de diversão legítima, embebida por todo aquele sentimento de nostalgia que ansiamos por encontrar nos grandes exclusivos do Switch.

É uma pena, porém, que o tempo passe voando e não haja conteúdo para render tanto, já que os microgames não são capazes de sustentar a empolgação do jogador após os 100%. O que nos resta é torcer para que Forgotten Land receba o mesmo suporte de Kirby Star Allies, com ótimas atualizações gratuitas para elevar o fator replay.

Nota Voxel: 90

Kirby and the Forgotten Land foi gentilmente cedido pela Nintendo para a realização desta análise

Pontos Positivos
  • Trata-se de um dos games de plataforma mais inspirados dos últimos tempos
  • Melhorias nas habilidades de cópia adicionam nova camada à jogabilidade
  • As fases equilibram com perfeição momentos de combate, puzzle e plataforma
  • Combate com novas nuances está ainda melhor e mais frenético
  • O level design primoroso encoraja a exploração
  • Coloca o Switch para trabalhar como gente grande na parte técnica
  • Diversão legítima do começo ao fim
  • Absorver objetos é a melhor mecânica do gênero desde o Cappy de Super Mario Odyssey
Pontos Negativos
  • Apesar dos modos extras, não há tanto conteúdo assim