Imagem de Grand Casino Tycoon
Imagem de Grand Casino Tycoon

Grand Casino Tycoon

Nota do Voxel
65

Grand Casino Tycoon diverte pouco e foge da premissa do seu nome

Las Vegas pode ser considerado o berço da civilização, quando levamos em consideração o mundo das apostas, cassinos, entretenimento e ricaços. Quem nunca teve vontade de ir para a região de Nevada se divertir ou fazer uma loucura por lá?

Esse desejo cresce ainda mais para os brasileiros, que não estão acostumados com máquinas de caça-níqueis, mesas de apostas e aquele carteado valendo uma boa grana.

Não estou falando daquele truco de 10 reais a rodada. Estou falando de algo totalmente legalizado.

Desenvolvido pelo Stillalive Studios, que ficou muito conhecido com a franquia Bus Simulator, Grand Casino Tycoon chegou ao mercado para que a empresa pudesse desbravar um gênero que não tinha tanta intimidade.

Além disso, um estilo movido por ideias novas, que nem mesmo os mais experientes do ramo tycoon resolveram considerar. Mas será que a ideia de construir um cassino no mundo digital deu certo?

Show me the money!

Grand Casino Tycoon te apresenta duas formas de jogar, uma sandbox e uma outra, que parece um modo missão. No primeiro, o jogador desbrava o mundo dos cassinos de forma aleatória, partindo do zero e com muito dinheiro. Nele, tudo estará desbloqueado.

No modo missão, mais robusto e com um pano de fundo, você precisa corresponder diversas expectativas, como o orçamento do local, o bem-estar dos clientes e cumprir objetivos para passar de fase e ter direito a desbravar novos cassinos.

Você é contratado por um milionário para gerenciar seu empreendimento de apostas. O início da aventura funciona como um bom aprendizado, onde serão apresentadas as principais mecânicas de jogo.

Praticamente toda a aventura serve como um tutorial para o modo sandbox, pois as primeiras missões te colocam frente a frente com as possibilidades de crescer o empreendimento. O jogador sempre começa com bastante dinheiro, o que facilita o desenvolvimento do casino.

Nos mínimos detalhes

A construção de uma casa de apostas, em Grand Casino Tycoon, passa por diversas situações que se entrelaçam. A primeira delas é a mais importante: os equipamentos de apostas.

No início do jogo será possível construir máquinas de caça-níqueis, vídeo pôquer e mesas de apostas baixas. Só que elas não sobrevivem sozinhas. É necessário ter comida e bebida em volta da diversão. Para isso, o jogador poderá criar um verdadeiro salão de alimentação.

Mas não pense que só isto resolverá a situação. Ainda é necessário deixar o ambiente agradável, com música e muita decoração. Cada tipo de apostador possui uma preferência e será fundamental analisar todas elas para deixar o cenário mais propenso aos gastos.

Afinal, sua grande tarefa é fazer os clientes gastarem, gastarem e gastarem ainda mais. Isto só acontecerá caso eles estejam felizes. Este jogo de satisfação não é complexo, funciona de forma simples e os desenvolvedores implementaram tudo de forma fácil de ser gerenciada.

Não existe um grande gerenciamento de crise e muito menos aqueles ingredientes complicadores, que de certa forma atrapalham a experiência de jogo. Grand Casino cumpre com êxito este desafio.

O quebra-cabeça

A ideia de se fazer um jogo de gerenciamento e construção de um cassino me agradou. Porém, a inserção de um elemento tornou o desenrolar do jogo massivo, chato e enfadonho.

O título divide os frequentadores do cassino, fazendo com que cada um deles tenha uma preferência. Alguns gostam de funk, outros de Jazz. Uns gostam de máquinas barulhentas, outros de caviar. Fulano curte um vinho, ciclano prefere uma bebida mais forte. E por aí vai.

A grande questão de tudo isso é que Grand Casino Tycoon impõe que o seu salão de apostas seja dividido em áreas. Os clientes não devem se misturar, pois se isto acontecer, dificilmente você vai lucrar.

Eles ficarão insatisfeitos, tristes e dificilmente utilizarão seu rico dinheiro. Lógico que este ingrediente torna o jogo mais complexo, mas ele acaba fugindo da proposta de um jogo Tycoon.

A empresa quis inovar neste sentido, mas parece que o tiro saiu pela culatra. Isto ocorre porque os clientes acabam vagando por todas as áreas do seu empreendimento. Isto  dificulta a implementação de uma área voltada para cada um dos tipos de apostadores, seja um compulsivo ou um viciado em máquinas de caça níquel.

Sinta-se em Las Vegas

A parte gráfica é outro detalhe que chama a atenção. Por mais que seja um jogo Tycoon, Grand Casino consegue preencher um espaço considerável na imersão com um visual aceitável. Mesmo com a visão isométrica é fácil se sentir dentro de um cassino.

Os personagens possuem vida própria, porém poderiam ser mais polidos, por mais que a intenção da empresa tenha sido deixá-los com um olhar cartunesco. Tirando este detalhe, todos os outros ingredientes do jogo estão bem feitos, de excelente gosto.

Um fator que infelizmente não me agradou foi o fato de não ser possível girar a câmera em 360 graus. Sabemos que a não inserção deste movimento ajuda em muito na otimização do game, que está impecável.

Porém, a falta de movimentação proporciona cantos cegos no jogo, o que prejudica uma exata construção e principalmente na escolha dos itens em cada parte do salão de apostas.

Vale a pena?

Grand Casino Tycoon tenta te trazer para o gerenciamento de cassinos, mas quando você menos espera tem que resolver problemas e gostos dos seus clientes. As primeiras horas de construção são divertidas e prazerosas. Depois, tudo se transforma em um quebra-cabeça para resolver pequenos empecilhos que mais estressam do que divertem.

Satisfaça os clientes e seja feliz, mesmo que eles percam dinheiro

Nota Voxel: 65

Pontos positivos

  • Jogo está em PT-BR
  • Gerenciamento simples

Pontos negativos

  • Satisfazer clientes atrapalha
  • Gráficos simples
  • 2 horas de jogo e já deu
Pontos Positivos
  • Jogo está em PT-BR
  • Gerenciamento simples
Pontos Negativos
  • Satisfazer clientes atrapalha
  • Gráficos simples
  • 2 horas de jogo e já deu