F1 2021 evolui na parte visual, mas abusa de reciclagem

F1 2021 é o novo jogo da franquia oficial da principal categoria do automobilismo mundial. Pela primeira vez sendo distribuído pela EA Sports, depois da aquisição da Codemasters, o game traz gráficos atualizados para a nova geração de consoles, mas poucas mudanças na jogabilidade, além de reciclar boa parte do seu conteúdo.

Confira a análise completa de F1 2021, game que será lançado no dia 16 de julho para PS4, PS5, Xbox One, Xbox Series S/X e PC.

De cara nova

A principal novidade de F1 2021 é em relação à parte visual do jogo. Estreando na atual geração de consoles (PS5 e Xbox Series S/X), o game traz gráficos ainda mais impressionantes do que nas versões para PS4 e Xbox One. Quem pegou esse vácuo foi a versão para PC, a utilizada nesta análise, que abusa da tecnologia Ray Tracing para criar um realismo ainda maior nas provas virtuais.

F1 2021 traz gráficos aprimorados para a nova geração de consoles e PCF1 2021 traz gráficos aprimorados para a nova geração de consoles e PC.Fonte:  Diego Borges / Reprodução 

Essa tecnologia fica nítida nos reflexos do ambiente externo das pistas nos carros e na qualidade dos efeitos climáticos, em que é possível ver o espelhamento dos veículos em poças-d'água no asfalto. Para completar, as corridas à noite contam com um sistema de iluminação real, que simula exatamente o ambiente criado pelos circuitos de verdade, como Cingapura e Bahrein.

As animações também receberam melhorias. Um exemplo claro é a famosa repórter que conduz as entrevistas ao final das corridas, que ganhou uma feição mais real, mesmo sendo a mesmíssima personagem das versões anteriores. Ainda sobre personagens, as animações, que com o modo "Ponto de Frenagem" são mais constantes em F1 2021, também merecem elogios e trazem cenas bem realistas, ao contrário dos bonecos virtuais de F1 2019 e F1 2020.

Animações também tiveram um upgrade visualAnimações também tiveram um upgrade visual.Fonte:  Diego Borges / Reprodução 

DLSS traz ainda mais realismo no PC

A versão de F1 2021 para PC conta com a tecnologia NVIDIA DLSS, que aumenta em até 65% a performance do jogo em 4K. Com isso, todos os jogadores que possuem uma GeForce da série RTX podem rodar o título a 1440p em 60 FPS. Já os que possuem a  RTX 3070, podem usufruir do 4K a mais de 60 FPS, com as configurações no máximo e Ray Tracing ligado.

A

Para quem não sabe, a tecnologia DLSS permite aos jogadores maximizar a performance do game e a resolução final. Ela é responsável por trazer um equilíbrio de qualidade da imagem entre todas as resoluções nativas, mesmo a 1080p.

Ponto de Frenagem

Outra novidade é o "Modo Ponto de Frenagem", que introduz uma história bem clichê ao game. Nela, você controla o jovem piloto Aiden Jackson, que começa sua jornada na Fórmula 1 em uma pequena equipe. Entretanto, a rápida ascensão de Jackson começa a incomodar o seu companheiro de time, e ídolo no esporte: Casper Akkerman.

Para completar, Aiden ainda precisa conviver com as encrencas de Devon Butler, personagem que sempre foi o “vilão” nas versões anteriores do game. Tudo isso cria uma novela para o modo, o que o torna interessante para quem busca sair da mesmice das corridas atrás de corridas.

Ponto de Frenagem traz história envolvendo jovens pilotosPonto de Frenagem traz história envolvendo jovens pilotos.Fonte:  Diego Borges / Reprodução 

Entretanto, o enredo do jogo não segue a mesma linha dos seus feitos na prova. Para ser mais explícito, por mais que você tenha um desempenho fenomenal, você terá que seguir o roteiro, que te coloca durante boa parte do campeonato como um piloto coadjuvante em ascensão. Por exemplo, por mais que eu tenha vencido uma corrida logo no meu ano de estreia na categoria, a história omite isso, e as animações seguem um caminho diferente dos meus feitos.

Isso fez com que o modo ficasse muito artificial, deixando o enredo apenas como um entretenimento entre uma corrida e outra. E mesmo nos momentos em que você assume o controle do carro já com a corrida em andamento, parece que suas proezas não trazem nenhum benefício para a equipe.

Modo traz animações antes, durante, e depois das corridasModo traz animações antes, durante e depois das corridas.Fonte:  Diego Borges / Reprodução 

Mas há coisas boas a se tirar de tudo isso. Entre elas, a excelente dublagem, que dá um ar de “filme” ao modo, visto que muitas das vozes são populares nos longas e seriados exibidos no Brasil, além da qualidade das animações que, como citado anteriormente, mostram uma evolução visual enorme na franquia.

Outras novidades

Outro elemento que introduzido muito bem foi a possibilidade de jogar diversos modos com a famosa tela dividida. Com ela, você e mais uma pessoa podem disputar corridas (até mesmo o Modo Carreira) juntos no mesmo console ou PC. A prática, que era comum nas gerações passadas, ainda funciona e dá um ar de nostalgia aos jogadores mais antigos como eu. Além de passar uma incrível sensação de estar mesmo em equipe, caso resolvam disputar as corridas e a Carreira pelo mesmo time.

Famoso modo Tela Dividida está de volta em F1 2021Famoso modo Tela Dividida está de volta em F1 2021.Fonte:  Divulgação 

Agora também há a possibilidade de jogar o Campeonato Mundial de Fórmula 1 a partir do ponto onde ele se encontra na vida real. Por exemplo, caso você queira começar esse modo agora, o campeonato terá Max Verstappen como líder, seguido de Lewis Hamilton, e por aí vai. Basta escolher o seu piloto favorito e tentar simular o futuro da temporada no game oficial.

Excesso de reciclagem

Já dizia o ditado: “Em time que está ganhando não se mexe!”. Concordo e acredito que F1 2021 soube usar muito bem isso ao seu favor. Desde a versão 2008 considero o game espetacular em relação à jogabilidade, com poucas coisas a serem melhoradas.

Jogabilidade de F1 2021 continua impecávelJogabilidade de F1 2021 continua impecável.Fonte:  Diego Borges / Reprodução 

O nível de aprendizado do game ainda é muito bem implementado. Ele dá inúmeras opções de configurações de pilotagem, ajudando desde quem tem pouca intimidade com o volante, até uma liberdade total, e muito real, para quem gosta de sentir na pele como é ser um piloto de verdade. Portanto, ter praticamente a mesma jogabilidade dos games anteriores eu não considero um ponto negativo.

Porém, parece que o conceito de reciclar elementos é uma alternativa para a franquia. A começar pelos menus, que não mudaram nada em muitas partes, e tiveram pouquíssimas alterações em outras. Por exemplo, o "Modo Carreira de Piloto" continua com o mesmo layout da versão F1 2019, desde o laptop para trabalho e compromissos, até o menu de mensagens e outras opções.

Muitos elementos continuam idênticos ao que foi apresentado em F1 2020Muitos elementos continuam idênticos ao que foi apresentado em F1 2020.Fonte:  Diego Borges / Reprodução 

A única coisa que mudou foi o sistema de evolução de componentes do seu carro. Para quem tem pouca intimidade com o funcionamento de um carro de Fórmula 1, o jogo soube dosar bem as informações e ficou mais fácil escolher e evoluir uma determinada parte do seu veículo.

Fora isso, tudo muito igual e sem alterações. E para completar, o jogo ainda insiste em manter as mesmas animações para determinadas cenas. É impossível não se incomodar com a mesmíssima festa do pódio ou das entrevistas após as corridas. Ok, foi bom enquanto durou, mas espero que F1 2022 tenha uma reformulação total desses elementos, pois é difícil se vender como um novo jogo com tanta coisa similar aos títulos anteriores.

Festa do pódio contém sempre as mesmas animaçõesFesta do pódio contém sempre as mesmas animações.Fonte:  Diego Borges / Reprodução 

Ídolos coadjuvantes, e veículos clássicos e pistas novas ausentes

Um dos focos da campanha de marketing de F1 2021 foi a inclusão de pilotos lendários como o eterno Ayrton Senna, Michael Schumacher, Alain Prost, e até os mais recém-aposentados: Felipe Massa e Nico Rosberg. Todos eles têm atributos que os diferenciam de boa parte dos principais corredores da atualidade, e claro, com Senna e Schumacher como os melhores do jogo.

Contudo, a participação tão importante desses ídolos é um "balde de água fria" nos fãs mais antigos da categoria. Primeiro por conta da impossibilidade de jogar com eles. Sim, todos são controlados pela CPU e atuam como companheiros de equipe. E se não bastasse tamanha tragédia, esses mesmos ídolos só podem ser adicionados ao seu time no "Modo Carreira de Equipe", na parte final da primeira temporada.

Pilotos lendários são meros coadjuvantes no jogo(Fonte: Diego Borges/Reprodução) Pilotos lendários são meros coadjuvantes no jogo.

Acha que acabou? Não, pois mesmo diante de tantos problemas, só é possível ter acesso a esses pilotos quem adquire a edição deluxe do game que, até o fechamento deste review, está custando R$ 369 nos consoles, e R$ 296 nos PCs.

Outro grande problema é a remoção de um dos maiores atrativos do game: os veículos clássicos. Sinceramente não sei qual o motivo para tal atitude, talvez algum problema de licenciamento por parte da nova distribuidora, a EA Sports. Mas, mesmo assim, deixar de fora um elemento que era tão adorado pelos fãs do jogo é um verdadeiro "tiro no pé". Principalmente para os fãs mais entusiastas que amavam colocar a McLaren de Senna de 1991, contra a Benetton de Michael Schumacher de 1994.

A remoção também sobrou para o lado dos circuitos. Atualmente, F1 2021 traz apenas pistas que já apareceram em outras versões, ou seja, as mais comuns, como Austrália, Itália, Japão, Inglaterra, Espanha, Brasil etc. Diante de uma temporada 2020 cheia de novos circuitos por conta da pandemia, eu esperava ver boa parte deles estreando no novo game.

Por enquanto, F1 2021 traz apenas as pistas mais comuns das últimas temporadas (Fonte: Diego Borges/Reprodução) Por enquanto, F1 2021 traz apenas as pistas mais comuns das últimas temporadas.

Pelo menos a EA prometeu adicioná-los muito em breve, resta saber quando. Adoraria também ver nessas futuras atualizações novos elementos que poderiam agregar ao jogo que, apesar de ainda ser referência no gênero, precisa começar a justificar a compra de cada edição anual da franquia.

Vale a pena?

Se você é um amante de jogos do gênero e fã da categoria, F1 2021 é o melhor título de corrida do começo desta nova geração. O game traz um visual renovado que, na versão para PC, aplica de forma satisfatória a tecnologia Ray Tracing dando ainda mais realismo a um dos melhores simuladores do mercado.

F1 2021 continua atraente, mas com muitos elementos reciclados  (Fonte: Diego Borges/Reprodução) F1 2021 continua atraente, mas com muitos elementos reciclados.

Entretanto, se você ainda está na geração PS4 e Xbox One e comprou recentemente F1 2020, não vale a pena pagar um preço cheio por um jogo com tantos elementos reciclados, e com apenas um modo história como novidade. É melhor esperar uma promoção e futuras atualizações que prometem dar mais elementos ao jogo para justificar a sua compra.

F1 2021 continua sendo referência, mas precisa evitar o excesso de reciclagem de elementos

Nota Voxel: 80

F1 2021 foi gentilmente cedido pela EA Games para a realização desta análise.

Pontos Positivos
  • Evolução dos gráficos
  • Jogabilidade continua incrível
  • Modo Ponto de Frenagem com cara de filme "Sessão da Tarde"
  • Carreira e outros modos em Tela Dividida
  • Dublagem realista
Pontos Negativos
  • Excesso de reciclagem em modos, animações e layouts
  • História do Ponto de Frenagem não acompanha feitos no modo
  • Pilotos lendários como meros coadjuvantes
  • Ausência de carros históricos e pistas da temporada 2020