Imagem de Empire of Sin
Imagem de Empire of Sin

Empire of Sin

Nota do Voxel
87

Empire of Sin vai fazer você se sentir um gângster de verdade

Um dos diretores de cinema de que mais gostamos é Francis Ford Coppola, por tudo o que ele fez em O Poderoso Chefão. Quem gosta de filmes dificilmente deixou de ser impactado pelo mundo criado pelo estadunidense, sempre muito bem detalhado.

No mundo dos games, Mafia é um representante de peso, mas faltava um jogo que incluísse gerenciamento e combate por turnos com maestria. Uma dessas tentativas foi Omerta — City of Gangsters, lançado em 2013. Desenvolvido pela Haemimont Games, o título cativou os amantes do gênero, por mais que tenha deixado algumas lacunas.

Quando Empire of Sin foi anunciado, tendo por trás a empresa de Brenda Romero e o crivo da Paradox Interactive, arregalamos os olhos e imaginamos: finalmente teríamos um jogo que abordaria de forma completa o mundo das máfias.

Enredo

Empire of Sin é um jogo de gerenciamento e combate por turnos que tem como pano de fundo o mundo mafioso. Seu objetivo é comandar um dos grupos mais aterrorizantes da época e controlar o submundo do álcool, da jogatina e da violência.

O título traz para o mundo digital 14 personagens com características únicas. Os protagonistas têm habilidades distintas de chefe, bônus de diplomacia e de império. É possível escolher pessoas de diversas classes sociais e culturas, como senhores cheios da grana, mulheres encantadoras, irlandeses loucos para quebrar sua cara e até mesmo magnatas mexicanos e italianos.

Antes de iniciar sua caminhada é possível customizar toda a aventura e escolher entre seis níveis de dificuldade, o número de vizinhanças e o de facções inimigas. Você começa o jogo em um bairro com nomes famosos encontrados em filmes de mafiosos, como Little Italy e Chinatown.

Lei Seca

Atualmente, a Lei Seca é compreendida como um período em que é proibido beber, principalmente durante as eleições. Mas na década de 1920, nos Estados Unidos, a proibição foi tão pesada que muitos estabelecimentos funcionavam de forma irregular para saciar a sede da galera.

Se você está se perguntado por que estamos falando disso, é importante saber que a bebida alcoólica é a mola propulsora de seu império. Ela deixa os clientes felizes e bêbados e serve como moeda de troca entre as facções criminosas.

O sistema de gerenciamento é um dos grandes destaques do game. Com relação à bebida, é possível melhorar sua qualidade, aumentar seu armazenamento e até mesmo fazer uma boa propaganda dela.

Tiro para todo lado

Diferentemente de outros games da Paradox, a ação baseada em combater por turnos é simples de ser realizada e lembra muito o que já é visto em jogos do gênero. Em Empire of Sin, cada personagem tem dois pontos de ação que podem ser utilizados ou não. Certas habilidades custam dois pontos e alguns atributos podem dar mais pontos, como um relógio, por exemplo.

Cada personagem tem uma árvore de desenvolvimento que pode dar ações especiais para ele. As câmeras e as formas de andar e atirar lembram muito o visto em XCOM, mas com uma leve diferença: o cenário não acaba atrapalhando a visão e dá uma excelente imersão para o combate.

É interessante pensarmos que o confronto não é o foco principal de Empire of Sin. Isso não o torna menos importante, mas mostra que para o sucesso do império é necessário focar outros quesitos, como as diversas formas de gerenciamento.

Engrenagem criminosa

Mentes brilhantes também são usadas para o mal. Grandes criminosos da história souberam lidar com tudo o que os cercava; pensando nisso, Empire of Sin traz uma infinidade de gerenciamentos para que toda a aventura aconteça.

Como descrito, o objetivo é ser o mafioso do pedaço. Para isso, é necessário conquistar locais e transformá-los em verdadeiras máquinas de fazer e lavar dinheiro. Pode ser um hotel, um cassino, um bar… você toma um lugar e define o que fazer com ele, podendo destruí-lo ou apenas saqueá-lo.

Quando você mata todos os inimigos de um recinto invadido, pode escolher entre algumas recompensas no fim da missão: controlar o local, saquear, danificar ou destruir. Se você resolver transformá-lo em um ponto de negócios, prepare-se para gastar um bom dinheiro para melhorá-lo.

Você pode gerenciá-lo de quatro maneiras: cuidando da segurança (aumentando o número de guardas), lavando dinheiro, modificando o ambiente (o que aumenta o número de clientes e consequentemente o dinheiro arrecadado) e fazendo propaganda. Os upgrades levam dias para acontecer, mas você pode acelerar o trâmite investindo mais dinheiro.

Infelizmente, acabamos achando um bug nessa parte após umas 10 horas de jogo. Os upgrades estavam gratuitos, o que confessamos que estragou muito tudo o que tínhamos construído. Até reiniciamos o jogo para voltar a ter um grande desafio com outro personagem.

Para ajudar na aventura é necessário contratar capangas que aparecem nas ruas e nas lojas e que têm características distintas. Um dos itens importantes é verificar o relacionamento deles com outras máfias e criminosos, pois isso pode impactar diretamente o serviço. Se seus comparsas trabalharem juntos por muito tempo, podem se apaixonar, e isso pode influenciar diretamente a batalha por turnos.

Outra forma de adquirir criminosos é pelo mercado. Existe um específico para vender e comprar itens para a aventura, como armas especiais, granadas e recuperadores de saúde. A cada 90 dias ocorre um novo estoque dos itens, fazendo que tudo possa mudar de uma hora para outra.

Para o desenrolar da aventura, cada personagem tem um quartel general chamado de safehouse, no qual todas as ações são feitas. Caso você a perca, o jogo termina. Outra forma de perder no jogo é ter o personagem morto em um confronto.

Um ponto importante da safehouse é que se você perder todos os outros pontos de arrecadação de dinheiro ela pode funcionar como uma cervejaria, gerando um pouco de lucro.

Entendendo-se com os chefes

Outra interatividade muito importante no jogo é com os chefes de outras máfias. Não é necessário que você seja inimigo deles; é possível criar estratégias para melhorar seus negócios, utilizando as expertises dos outros mafiosos, e até mesmo propor situações distintas: pagar propina para a polícia, entrar em uma guerra conjunta contra outra máfia ou pagar para um jornalista falar bem de seus negócios.

Todo cuidado é pouco. É necessário estudar as estatísticas e entender a relação existente entre todos os criminosos para não acabar caindo em uma verdadeira cilada. O jogo se torna fácil pelo fato de mostrar tudo o que pode acontecer ao se relacionar com um chefe do crime ou um capanga. Seria legal se não soubéssemos o que existe entre eles, para que o fator surpresa aparecesse mais.

Imagens grosseiras

Os gráficos de Empire of Sin deixam muito a desejar, principalmente nas CGs. Em certos momentos, percebemos os traços grosseiros dos personagens. Por mais que a otimização seja excelente em 4K, existe pouca variação de inimigos.

Em contrapartida, o cenário ficou muito bonito, retratando bem a diferença do dia e da noite, com a excelente utilização da luminosidade, principalmente durante a chuva. Os locais são bem detalhados e diferentes, deixando de lado uma possível repetição em confrontos com inimigos.

A música consegue criar uma imersão no período da Lei Seca tanto nos momentos-chave, em que o tiroteio corre solto, quanto em uma breve caminhada pelo bairro. A famosa Era do Jazz foi muito bem representada em todo o game.

Vale a pena?

Empire of Sin traz diversas possibilidades de tramas ao longo da aventura. Se tiver isso como pensamento, prepare-se para se divertir muito com o game, que proporciona um fator replay maravilhoso. E se tratando da Paradox, prepare-se para uma enxurrada de DLCS.

Empire of Sin foi cedido gentilmente pela Romero Games para a realização desta análise.

Finalmente chegou a oportunidade de ser um gângster de verdade no mundo dos games

NOTA: 87

Pontos Positivos
  • Gerenciamento na medida certa
  • Combate simples
  • Imersão
Pontos Negativos
  • Gráficos simples
  • Alguns bugs encontrados no upgrade de lojas