Imagem de Dragon Quest IX: Sentinels of the Starry Skies
Imagem de Dragon Quest IX: Sentinels of the Starry Skies

Dragon Quest IX: Sentinels of the Starry Skies

Nota do Voxel
90

Dragon Quest encontra o equilíbrio entre inovação e tradição

“O Todo Poderoso criou os seres humanos. Pouco depois, criou também os Celestrians  — um presente para a humanidade, cujo objetivo é guiar os tolos seres humanos”

Img_originalTratando-se de um JRPG, normalmente essa introdução deixaria para você, o jogador, o papel de um “tolo ser humano”. Bem, não aqui. Em Dragon Quest IX: Sentinels of the Starry Skies uma das primeiras coisas que chamam a atenção é a história. Embora a maior parte da trama seja tremendamente familiar para fãs do gênero, existe aqui e ali uma pincelada diferente, capaz de conferir um tom distinto a uma série que já conta mais de 20 anos de existência.

A propósito, para quem não conhece, vale aqui um pequeno parêntese. Embora no ocidente a série Dragon Quest seja algo como “mais uma boa franquia de JRPG”, o mesmo não ocorre na Terra do Sol Nascente. No Japão, um novo Dragon Quest gera comoção generalizada. Provavelmente nem sequer seria uma heresia afirmar que a popularidade da série ultrapassa a do bom e velho Final Fantasy.

Dito isso, vamos a Sentinels of the Starry Skies. Além da trama razoavelmente original, Dragon Quest IX ainda carrega outro emblema: trata-se do primeiro título da franquia a ser lançado exclusivamente para um console portátil — o Nintendo DS. Na bagagem, ótimo tratamento gráfico, história envolvente e também um belo motivo para que você junte alguns amigos: a campanha cooperativa.

Apesar de algumas escorregadas menores, Dragon Quest IX: Sentinels of the Starry Skies consegue ser um ponto de equilíbrio entre o estilo familiar dos JRPGs tradicionais e as inovações mais recentes do gênero. A história aqui também é um ponto digno de nota: envolvente e cheia de reviravoltas, mas sem desdenhar o estilo de trama que se espera do gênero.

Img_original

Por outro lado, a adição de um modo multiplayer cooperativo, embora traga efeitos colaterais menos desejáveis, inaugura uma nova forma de se jogar Dragon Quest. Enfim, Sentinels of the Starry Skies não é obsoleto, mas também não se desliga das raízes consideravelmente profundas da franquia. Sem dúvida uma das melhores opções em JRPGs para o DS.