Imagem de Chernobylite
Imagem de Chernobylite

Chernobylite

Nota do Voxel
84

Chernobylite mistura sobrevivência com viagem turística à Pripyat

Chernobylite é um FPS que ficou cerca de dois anos em acesso antecipado até finalmente ser lançado para PC. O jogo traz elementos de ação, mistério e terror, em meio a cidade fantasma de Pripyat, que em 1986 sofreu com o acidente nuclear de Chernobyl. Ironia do destino fez com que um seriado sobre a história da tragédia fosse lançado durante o período, o que aumentou ainda mais o interesse pelo game.

Mas será que a expectativa foi correspondida? Confira a nossa análise completa:

Kickstarter com viagem real e outras particularidades

Durante a sua longa campanha de financiamento coletivo, Chernobylite chamou a atenção não apenas pelo conteúdo que o jogo estava proposto a apresentar, mas também por algumas particularidades. A primeira delas foi a possibilidade de viajar até a cidade de Pripyat junto aos desenvolvedores do jogo. Porém, para isso era preciso combinar o passeio a partir de Kiev, capital da Ucrânia, já que a cota não inclui valores de passagem e hospedagem, apenas a companhia da produção.

Chernobylite traz uma reprodução muito fiel da cidade de PripyatChernobylite traz uma reprodução muito fiel da cidade de Pripyat.Fonte:  Divulgação 

Para isso, era preciso comprar uma das 25 cotas de apoio que custavam US$ 1.300 cada. Segundo a página oficial da produtora do jogo, a The Farm 51, quatro pessoas contribuíram e puderam fazer a viagem, que contou até mesmo com um “rolê” dentro da Zona de Exclusão, a área mais atingida pelo acidente e cuja radiação permanece até os dias de hoje.

Outro elemento que chamou muita atenção foi o sistema de captação de imagens para a produção do jogo. Para obter um alto nível de realismo, a produtora utilizou uma série de drones e scanners a laser para mapear a região, além de centenas de visitas dos próprios desenvolvedores, que aproveitaram muitas delas para criar os sons do game dentro da cidade fantasma.

O jogo permite O jogo permite "passear" por toda a cidade de Pripyat.Fonte:  Divulgação 

Por conta desse minucioso trabalho, o jogo atrasou mais do que o esperado. Mas, felizmente, já podemos desfrutar dessa grande viagem virtual a uma das regiões mais perigosas e devastadas do mundo. E o melhor: no conforto do sofá de casa.

Onde está Tatyana?

Essa é uma pergunta que você fará a todo momento em Chernobylite. Tudo porque o grande motivo de você estar na cidade devastada de Pripyat é justamente esse: achar a sua amada. No game você assume o papel de Igor, um cientista que volta à região de Chernobyl, 30 anos após o acidente nuclear, em busca de respostas sobre o que aconteceu antes da tragédia e, claro, descobrir “onde está Tatyana”.

O enredo gira em torno de Tatyana, a moça feliz andando na cidade devastadaO enredo gira em torno de Tatyana, a moça feliz andando na cidade devastada.Fonte:  Diego Borges / Reprodução 

Para isso, Igor utiliza um metal chamado Chernobilita (ou Chernobylite) que permite manipular o espaço-tempo. Entretanto, outras pessoas também estão interessadas no material, além de tentar encobrir segredos sobre o que de fato ocorreu no suposto acidente nuclear. Isso inclui a presença de organizações secretas, a KGB, criaturas contaminadas, e até monstros perseguidores no melhor estilo Nemesis de Resident Evil 3.

Outro ponto interessante é a forma com que ramificações são feitas no enredo para que suas decisões tenham um impacto maior. Você pode assumir um Igor determinado a encontrar sua amada, mesmo que isso custe a sua vida e a de seus aliados, ou dar prioridade a causas mais importantes e deixar as buscas por Tatyana em segundo plano. Porém, as consequências são realmente impactantes e, em muitos casos, não há como voltar atrás, somente jogando de novo.

Você reviverá cenas antes do desastre nuclear de ChernobylVocê reviverá cenas antes do desastre nuclear de Chernobyl.Fonte:  Diego Borges / Reprodução 

Embora tudo pareça uma loucura imensa, é até divertido mergulhar na história de Chernobylite. Entretanto, para mim, tudo ficou em segundo plano, já que, na minha opinião, o mais divertido é vivenciar essa "viagem virtual" à zona devastada, mesmo que o preço a pagar seja encarar soldados do governo e criaturas de outro mundo (ou tempo).

Elementos de sobrevivência e RPG

Chernobylite traz uma jogabilidade com um foco maior na sobrevivência, mesmo que boa parte de sua divulgação tenha tido ênfase no terror. No jogo, você precisa cumprir missões que envolvem ir em um determinado ponto da região devastada, seja para buscar um item, resgatar um aliado, derrotar soldados e criaturas etc.

Além disso, você tem uma espécie de base onde é preciso evolui-la em busca do bem-estar do grupo, construindo geradores, purificadores de ar, bancadas de criação de armas e equipamento, e até mesmo coisas supérfluas, como uma vitrola ou uma TV velha.

Chernobylite traz elementos de craft que poderiam ser melhor aproveitadosChernobylite traz elementos de craft que poderiam ser melhor aproveitados.Fonte:  Diego Borges / Reprodução 

E é justamente essa parte que deixa a desejar: a necessidade de gastar recursos com coisas tão superficiais para o grupo. O maior exemplo é ter que construir um rádio para que seu aliado escute música, correndo o risco dele te abandonar caso a extravagância não seja realizada. Nada contra o gosto musical do meu companheiro, mas ter que gastar os recursos que poderiam melhorar o meu armamento só para que ele fique entretido? Não ficou legal.

A parte interessante é que o jogo cria algumas dificuldades em relação ao seu armamento. Você não pode, por exemplo, roubar os “sofisticados” fuzis dos seus inimigos, já que eles contam com uma espécie de trava digital. O jeito é juntar bugigangas e criar o seu que, obviamente, não vai ter a mesma eficácia. O mesmo vale para revólveres, escopetas e outras armas.

Já o combate mano a mano é um tanto ineficaz, caso não seja feito de forma furtiva. Correr que nem um louco para esfaquear soldados inimigos pode até surtir efeito, mas com as criaturas não é nada recomendado. O jeito é criar estratégias para poupar balas, já que os mesmos recursos que você utilizar para criar munição são também para cumprir pedidos de seus aliados, como talvez uma poltrona mais confortável.

A melhor estratégia é agir sorrateiramenteA melhor estratégia é agir sorrateiramente.Fonte:  Diego Borges / Reprodução 

Por fim, vale destacar o recurso mais importante do jogo: um pequeno localizador multifunção. Além de mostrar recursos e outros elementos em um determinado raio do mapa, ele também mostra os níveis de radiação do ambiente, sendo fator determinante para fugir de áreas mais contaminadas.

Sinta-se em Pripyat

Voltando a falar sobre a campanha de financiamento do game, um dos pontos que mais me chamou a atenção foi justamente a proposta de reproduzir Pripyat em um nível de realismo nunca antes visto. Embora ousada, a promessa foi cumprida à risca, e é impossível não sentir o clima que seria andar pelas ruas e construções abandonadas de uma das regiões mais afetadas pelo desastre.

Chernobylite contou com um mapeamento real de toda a região de PrypiatChernobylite contou com um mapeamento real de toda a região de Pripyat.Fonte:  Diego Borges / Reprodução 

Digo isso porque não é somente a parte exterior da cidade ucraniana que foi reproduzida com fidelidade, mas praticamente todas as suas construções. Por exemplo, ao adentrar em um dos diversos prédios da cidade, caso você se depare com algum móvel ou objeto caído pelo chão, saiba que ele pode estar nesse exato momento por lá, ou seja, não é algo criado pelo jogo, aquele elemento existe de verdade.

E o que dizer da parte inicial do game, que leva os jogadores para dentro da usina de Chernobyl? Sim, você pode andar pelos corredores, conhecer a famosa Sala de Controle onde se iniciou o alarme do caos, e até mesmo ver de perto o reator que explodiu e causou o maior acidente nuclear da história.

A famosa Sala de Controle de Chernobil está presente no gameA famosa Sala de Controle de Chernobyl está presente no game.Fonte:  Diego Borges / Reprodução 

A cereja do bolo são as cenas gravadas na cidade e inseridas nas animações do jogo. Destaque para a atriz que interpreta Tatyana andando pelas ruas de Pripyat, e as tomadas aéreas feitas pelos drones que mostram o quanto o real e o virtual são parecidos.

Entretanto, o realismo foi aplicado de uma forma tão assertiva na ambientação do jogo, que acabou fazendo com que outros elementos tivessem um certo deslize. Seus inimigos, por exemplo, sofrem com a falta de capricho. Tanto soldados como criaturas são excessivamente repetitivos e reaproveitados, ou seja, similares uns com os outros, no estilo “Copiar e Colar”.

Soldados e criaturas de Chernobylite poderiam ter um capricho maiorSoldados e criaturas de Chernobylite poderiam ter um capricho maior.Fonte:  Diego Borges / Reprodução 

É até compreensivo tendo em vista que a The Farm 51 não é uma empresa de grande porte, e esse seria um trabalho ainda mais árduo. Mas ao mesmo tempo, penso que se metade do capricho dado aos cenários fosse dado também a esses elementos, poderíamos ter um jogo ainda mais belo.

O que pode melhorar?

Embora a The Farm 51 tenha afirmado que não há qualquer plano para incluir modos multiplayer no jogo, seria um tanto divertido ver algo assim em Chernobylite. Por diversas vezes, fiquei imaginando o quanto seria animador explorar com amigos a cidade abandonada, ou até mesmo jogar contra outras pessoas um mata-mata competitivo em meio aos prédios abandonados.

Um modo multiplayer não cairia mal em ChernobyliteUm modo multiplayer não cairia mal em Chernobylite.Fonte:  Diego Borges / Reprodução 

Também seria interessante ver uma história mais prolongada. Seja com a chegada de futuros DLCs, ou outros complementos. Pois embora Chernobylite tenha um fator replay interessante, e um modo de exploração livre, em que é possível simplesmente ficar circulando pelas regiões abandonadas, a história principal é um pouco curta para quem esperou tanto tempo para pôr as mãos no jogo completo.

Vale a pena?

Chernobylite cumpre o que se comprometeu a fazer durante seus dois anos em desenvolvimento e acesso antecipado. Trouxe uma exploração nunca antes vista de uma das regiões mais famosas do mundo, em uma história que entretém e traz um desenrolar bem digno.

Chernobylite convida você a acompanhar os acontecimentos antes do acidente nuclearChernobylite convida você a acompanhar os acontecimentos antes do acidente nuclear.Fonte:  Diego Borges / Reprodução 

Entretanto, o terror ficou de lado e deu lugar a um jogo de sobrevivência, em que não basta apenas cumprir as missões principais, mas também é preciso pensar nos seus aliados e na evolução de sua equipe, fazendo o famoso loot antes de voltar para a casa.

O game é mais do que recomendado para aqueles que, como eu, morrem de vontade de conhecer a cidade fantasma de Pripyat, ao mesmo tempo em que morrem de medo de pôr os pés e chegar perto da região.

"Chernobylite leva o jogador a uma incrível viagem a região devastada pelo acidente nuclear"

Pontos Positivos
  • Incrível reprodução de Pripyat
  • Ambientação realista
  • Trilha sonora
  • Enredo que entretém
  • Modo Exploração Livre
Pontos Negativos
  • Missões Repetitivas
  • Terror deixado de lado
  • Um multiplayer poderia agregar
  • Sistema de craft forçado