As músicas mais marcantes da história dos games

11 min de leitura
Imagem de: As músicas mais marcantes da história dos games

Fonte da imagem: iStock
Todo mundo tem a sua história, jornadas repletas de momentos marcantes, que ficam na memória. Nos jogos eletrônicos, um dos grandes responsáveis por gravar para sempre uma cena na nossa cabeça é a música. Por isso, reunimos alguns dos viciados em games aqui da NZN e pedimos a ajuda dos leitores para elencar quais são as músicas mais marcantes da história dos games.

Danilo Amoroso – Apresentador

Blur – Song 2 (FIFA 98: Road to World Cup)

A introdução de FIFA 98: Road to World Cup era demais, pois usava essa música. Esse foi um dos jogos de futebol que mais gostei na vida e um dos motivos era a introdução. Falando em um título mais recente, a música dos créditos finais do jogão Dishonored também é alucinante. Ela se chama "Honor for All" e é excelente.

Felipe Gugelmin – Redator

Koji Kondo – Saria Song (The Legend of Zelda: Ocarina of Time)

A música que serve como tema da Kokiri Village de The Legend of Zelda: Ocarina of Time é só mais uma prova do incrível talento do compositor Koji Kondo. Além de combinar perfeitamente com o local, a canção é ideal para dar o clima leve que o começo do jogo possui.

Felipe Arruda – Redator

Toshio Kai – Rise From Your Grave (Altered Beast)

A trilha sonora que mais marcou foi a da primeira fase de Altered Beast, do Master System. Em partes, a culpa por eu ter memorizado essa melodia foi da minha família, que reclamava constantemente da “canção” enquanto eu me divertia. Foram tantas horas jogando esse game que, ainda hoje, mais de 20 anos depois, sou capaz de cantarolar a música.

Igor Pankiewicz – Coordenador de Conteúdo

Nobuo Uematsu – Main Theme (Final Fantasy VII)

Escolher uma única faixa como a mais marcante é uma tortura, em vista dos brilhantes trabalhos realizados nos games – principalmente em épocas nas quais os próprios chips de áudio não reproduziam nada além dos sons eletrônicos. A era de ouro da SquareSoft no PlayStation trouxe nomes como Chrono Chross, acompanhado da obra orgânica de Yasunori Mitsuda.

Muito embora tenham sido as músicas deste conjunto as que me fizeram estudar violão clássico, não tenho como negar que sempre verei a trilha de Final Fantasy VII como o ápice, por achar que ela capturou de forma perfeita todos os momentos do game. A faixa principal passa por todas as emoções, da tristeza da jornada até a euforia das pequenas e grandes vitórias. A versão em piano só deixa tudo ainda mais melancólico.

Douglas Ciriaco – Redator

Lalo Schifrin – Mission: Impossible Theme (Mission: Impossible)

Um dos jogos mais marcantes do final da minha infância foi, sem dúvida, Mission: Impossible. Eu já curtia as aventuras de Ethan Hunt no cinema, que até então contava com apenas um filme, e o game foi um bônus. Ele trazia cenas clássicas do longa, como aquela em que ele se equilibra preso por cordas para não cair no chão de uma sala de segurança máxima, e, – o principal – contava também com um dos temas mais legais do cinema e, por que não, dos games.

Wilson Junior – Moderador

Barry Leitch – Mad Racer/Track 1 (Top Gear)

Essa música foi marcante pra mim porque, na verdade, o jogo inteiro foi. E essa é justamente a faixa que abre Top Gear, tocada logo na primeira pista. Sinto uma nostalgia e me lembro das tardes que passava jogando isso no meu Super Nintendo. Dava uma “adrenalina” na hora de fazer as ultrapassagens. De tão incrível, ela até “inspirou” a música ”Bliss'”, do Muse, que é quase idêntica.

Cássio Barbosa – Redator

Satoe Terashima e Kinuyo Yamashita – Vampire Killer (Castlevania)

O tema mais clássico da série surgiu em 1986, quando o primeiro game da série foi lançado no MSX2 (com o nome Vampire Killer no Ocidente). Desde então, o tema clássico deu as caras na maior parte dos títulos da série, sendo reconhecido facilmente pelos seus fãs. Se você já se aventurou pelo castelo do Drácula, não vai discordar em sobre como essa música empolga, ao mesmo tempo em que é importante para a franquia.

Mariana Ayres Paulo – Musa BJ

Elton John e Tim Rice – I Just Can’t Wait To Be King (The Lion King)

Eu gostava muito da trilha sonora de “O Rei Leão”, dava vontade de jogar dançando. Pena que o fio do Super Nintendo era muito curto e eu nem podia ficar me mexendo um monte.

Thiago Moura – Editor de vídeo

Anamanaguchi - Another Winter (Scott Pilgrim Vs.The World: The Game)

Anamanaguchi é a banda de "indie rock 8-bits" responsável por toda a trilha sonora da adaptação da HQ "Scott Pilgrim vs The World" para os consoles PS3 e Xbox 360. As músicas dão o clima certo para cada um dos estágios, e "Another Winter" é a minha favorita por ambientar a primeira fase do game com um ritmo frenético e empolgante.

Mayra Vendramin – Moderadora

Ellen McLain – Still Alive (Portal)

Portal foi um jogo que me surpreendeu bastante. Confesso que, antes de jogá-lo, não esperava muito, afinal o que um puzzle com pouquíssima violência envolvida poderia me oferecer? Obviamente eu estava errada: o jogo é impecável, assim como sua trilha sonora.

Com faixas produzidas pelo músico e compositor Jonathan Coulton, o jogo encerra com a bela e bizarra Still Alive, cantada pelo sarcástico sistema de inteligência artificial GlaDOS. A combinação da letra destinada à protagonista Chell, a melodia e o visual dos créditos finais, além da minha experiência pessoal com o jogo, fazem dessa uma das músicas de video game mais marcantes pra mim.

Hiniro No – Moderador

Gas-O – Chemical Love (Bust a Groove)

Bust a Move, ou Bust a Groove, com certeza fica em primeiro na minha lista. Por ser um jogo de dança e ritmo, ele me deu a chance de não só conhecer novos estilos de música que ouço até hoje, mas também de desenvolver meus reflexos e ritmo musical. Se fosse pra escolher a mais marcante entre as várias desse jogo, seria "Chemical Love", do Gas-O.

Renan Hamann – Redator

Shira Kammen – Lullaby Set (Braid)

Braid é um game independente e a trilha sonora também segue essa linha. A qualidade com que ela foi produzida impressiona até os mais críticos e isso é sensacional. Todas as músicas são incríveis e contibuem muito para a criação do ambiente do game. É uma trilha realmente cativante.

Vinicius Karasinski – Redator

Nobuo Uematsu – One Winged Angel (Final Fantasy VII)

Parece até crueldade pedir para um jogador escolher uma única trilha sonora em especial, uma vez que qualquer gamer que se preze saberia fácil nomear mais de dez. Apesar disso, posso citar a trilha de Final Fantasy VII como uma das mais marcantes para mim. As melodias compostas por Nobuo Uematsu são simplesmente incríveis em todas as situações em que marcam presença.

Além disso, também lembro com carinho das trilhas de Chrono Trigger (que também tem a mão de Nobuo Uematsu) e Castlevania: Symphony of the Night, que empolga novamente a cada mudança de cenário.

Paulo Guilherme – Redator

Koji Kondo – Song of Healing (The Legend of Zelda: Majora’s Mask)

Uma das músicas mais importantes de meu game favorito, a Song of Healing não é impressionante apenas pela qualidade de suas melodias, mas também por tudo o que ela significa na aventura.

Seja ao tocá-la para recuperar a forma original de Link, para salvar o espírito de Darmani, para levar Mikau ao seu descanso eterno ou salvar um explorador de sua maldição, essa é a canção que melhor representa o conceito de Majora’s Mask: uma tentativa de curar a dor de um mundo repleto de sofrimento.

Maurício Soto Bello Tadra – Redator

Capcom Sound Team – Character Select (Take You For a Ride) (Marvel Vs. Capcom 2: New Age of Heroes)

A música que mais marcou a minha vida nos games é da trilha sonora de Marvel vs. Capcom 2. Para ser mais exato, estou me referindo àquela musiquinha que fica ao fundo quando você está prestes a escolher sua dupla de personagens e que nunca muda, independentemente do tempo em que você permanecer naquela tela.

O som pode ser considerado irritante por várias pessoas, mas duvido que, se o jogo tivesse feito parte de muitas e muitas horas de sua vida, você também não iria nutrir um carinho especial por ela. Basta escolher Wolverine, Capitão América e a assistência do Colossus para detonar todo mundo!

Ana Nemes – Redatora

Masato Nakamura – Green Hill Zone (Sonic: The Hedgehog)

Qualquer pessoa que já jogou Sonic consegue lembrar, mesmo depois de tantos anos, a música da primeira fase, a Green Hill Zone. Como este foi o game que eu mais joguei na infância, não tem mesmo como esquecer, principalmente porque ouvi-la significava que todas as minhas vidas tinham acabado (ou que eu havia zerado o jogo) e estava começando tudo de novo.

André Luiz de Mello Pereira – Redator

Grindstone – Hollow Eyes (Top Gear Overdrive)

Enquanto todo mundo vibrava com seus PlayStations e jogos com músicas em MP3, o Nintendo 64 sempre teve uma deficiência nesse quesito. Por isso, quando joguei Top Gear Overdrive, ele se alojou na minha memória de forma que até hoje eu ouço as suas músicas.

As canções da banda Grindstone (que sumiu do mapa logo depois do lançamento do título) casavam perfeitamente com o jogo, conseguindo superar (na minha cabeça perturbada) a trilha do primeiro game da série.

André Luiz Cavanha – Muso BJ

Tokuhiko Uwabo – Alex Kidd in Miracle World (Alexx Kidd in Miracle World)

Claro que a trilha sonora nem se compara com grandes sucessos da Nintendo, porém ela soa muito nostálgica para mim. In Miracle World era um jogo que vinha na memória do Master System III e mostrava como nem tudo a gente resolve na porrada: o bom e velho joquempô era a principal arma para derrotar os chefões. A fase da água tinha uma música um pouco melancólica, mas muito bonita... Saudades!

Fábio Jordão – Redator

David Wise - Stickerbush Symphony (Donkey Kong Country 2)

A série Donkey Kong Country marcou minha infância, mas foi o segundo game que realmente me cativou. Com a trilha de David Wise, a cada fase o jogo me chamava para ajudar Diddy e Dixie a passarem pelas adversidades da floresta. Entre tantas canções, Stickerbush Symphony foi a mais bela de todas; uma composição tocante que me aproximou dos macaquinhos. Para mim, essa canção foi algo inédito na época do SNES e a considero como uma obra de arte.

Felipe Demartini – Redator

Masami Ueda e Saori Maeda – Free From Fear (Resident Evil 3: Nemesis)

Essa música já existe desde o primeiro game da série, mas escolhi o tema específico de Resident Evil 3 por um simples motivo: Nemesis. A faixa tenta trazer calmaria para o jogador e a ideia de que, pelo menos ali dentro, não há perigo.

No terceiro game da série, porém, a música se tornou ainda mais aterradora com a noção de que, apesar de estarmos seguros dentro daquele cubículo com o baú, a terrível criatura da Umbrella estava esperando logo atrás da porta. Uma hora ou outra, teríamos que sair dali. Medo é pouco.

Gabriel Soto Bello – Apresentador

Yuki Iwai – To The South (Goof Troop)

Além de ter uma das trilhas sonoras mais marcantes da minha vida, Goof Troop também é uma obra que me traz muitas boas lembranças da minha infância. Lembro que tínhamos um SNES em nossa casa na praia e, quando chovia, passávamos o dia jogando isso para manter o clima tropical e dar umas boas risadas. E de pensar que Shinji Mikami, responsável por Goof Troop, mais tarde criaria nada menos que Resident Evil!

Matheus Zimmer – Editor de Vídeo

Kärtsy Hatakka – Max Payne Theme (Max Payne)

Max Payne com certeza marcou minha experiência gamer e isso se deve, entre outros aspectos, por apresentar uma ótima música tema. A trilha, que acompanha a saga desde sua primeira versão, é o típico elemento que reforça ainda mais a trama. Todos os sentimentos agoniantes e pressões psicológicas que o protagonista vive são passados ao jogador de forma quase integral.

Como se não bastasse isso, a melodia cria uma imensa vontade de aprender violoncelo, ou até mesmo piano, mas isso eu deixo pra depois, prefiro, por enquanto, apenas trocar tiros com os inimigos durante um salto em slow motion.

Durval Ramos - Redator

Akira Yamaoka – Promise (Silent Hill 2)

Por mais que Silent Hill seja um de seus trabalhos mais marcantes, toda a obra de Akira Yamaoka merece ser destacada. As melodias compostas para a série de terror da Konami me causam arrepios até hoje e mostram o quanto uma canção pode contribuir para a ambientação de um game.

Além disso, ele mostra que também sabe criar canções menos tenebrosas e igualmente épicas, como as feitas em Shadows of the Damned. Se você tem um tempinho livre, procure uma playlist exclusiva do Yamaoka e veja o quanto ele pode ser genial com apenas alguns acordes.


Arthus de Paula – Leitor do BJ

Koji Kondo – Ground Theme (Super Mario Bros.)

Tam ram tam tum tam tA m. O tema de Super Mario é simplesmente incomparável. Em qualquer lugar do mundo, ao cantarolar, assobiar ou fazer qualquer tipo de som com essa musica, as notas serão reconhecidas. Enquanto houver um gamer vivo, essa canção será lembrada, trazendo na lembrança muitos momentos de felicidade.

Junior Pedro – Leitor do BJ

Yasunori Mitsuda – Frog’s Theme (Chrono Trigger)

Para mim, o tema de Frog em Chrono Trigger é lindo e, quando tocado, transmite todo o heroísmo que esse personagem tem. Aliás, várias músicas desse game são inesquecíveis.

Alonso Matos – Leitor do BJ

Koji Kondo – Great Fairy’s Fountain (The Legend of Zelda: Ocarina of Time)

Qualquer que seja o arranjo dessa música, onde quer que eu ouça, me lembro das longas e fantásticas horas que passei jogando essa franquia da Nintendo. Um game que nos diverte durante longas horas sem que haja cansaço.