Nintendo 3DS: do pior ao melhor jogo, segundo a crítica

6 min de leitura
Imagem de: Nintendo 3DS: do pior ao melhor jogo, segundo a crítica
Imagem: Nintendo

Seguir os passos da febre de vendas que foi o Nintendo DS parecia um desafio gigantesco para a Big N, e por um bom tempo a impressão foi de que nem mesmo os efeitos em 3D que não exigiam o uso de óculos especiais bastariam para fazer o pequeno 3DS ter apelo com o público.

Até que, em uma das melhores decisões tomadas pelo saudoso presidente Satoru Iwata, pouco menos de 6 meses após o lançamento decepcionante do console, a companhia reduziu o preço de US$ 250 para US$ 170, além de oferecer jogos grátis de Gameboy Advance para os "embaixadores" que fizeram a compra antes da diminuição de valor.

Dali em diante, uma leva invejável de grandes lançamentos e o preço mais competitivo ajudaram o sistema a decolar, superando a marca de 75 milhões de unidades vendidas (se você incluir na conta as revisões de hardware como 2DS e New 3DS). Foram muitos jogos incríveis, mas também algumas catástrofes pelo caminho, e hoje vamos relembrar tudo isso.

Como manda a tradição da série do "Pior ao Melhor", todas as notas que apresentaremos aqui são baseadas no agregador de reviews Metacritic. Separamos os sete melhores e os sete piores jogos do portátil; em caso de empate, usamos as notas dos usuários como critério de desempate.

Os piores jogos do Nintendo 3DS

7. Chronus Arc (Nota 40)

O 3DS foi o lar de muitos JRPGs, mas só um deles poderia ter o posto de pior do console, e essa honraria fica com Chronus Arc. Para os críticos, a aventura inteira foi um grind, com direito até a uma história tediosa para completar a desgraça. É tudo derivativo demais, então nem a nostalgia funciona.

6. RollerCoaster Tycoon 3D (Nota 39)

A franquia RollerCoaster Tycoon certamente merecia algo melhor que esse capítulo. Em seus melhores momentos, construir e gerenciar parques era muito divertido, mas a versão de 3DS conseguiu a proeza de ter menos opções e recursos que o jogo original de 1999. Os críticos puniram a ausência de customização de cores, os nomes de brinquedos, a falta de informações sobre os clientes do parque e muitas atrações que ficaram de fora.

5. 3D Classic: Urban Champion (Nota 37)

O primeiro jogo de luta 2D da Nintendo já não tinha sido muito bem recebido nos tempos do NES, e o passar dos anos só o tornou ainda mais difícil de simpatizar. Com batalhas excessivamente simplórias, muitos críticos cravaram que esse era o pior jogo de Nintendinho disponível no Virtual Console. Nem a versão 3D conseguiu dar qualquer graça para os combates.

4. Langrisser Re:Incarnation Tensei (Nota 35)

Os melhores jogos de estratégia fazem o jogador se sentir um verdadeiro general em campos de batalha, tomando decisões difíceis e ficando imerso em desafios únicos. Langrisser Re:Incarnation Tensei não faz nada disso. De acordo com os críticos, a série não deveria ter sido revivida, já que não tem mais carisma e suas mecânicas não fluem direito, um problema agravado pelo excesso de bons games do gênero no sistema.

3. Transformers: Dark of the Moon Stealth Force Edition (Nota 30)

É bem verdade que Transformers Dark of the Moon não era exatamente o pináculo da Sétima Arte, mas sua prequel nos video games se saiu ainda pior. Nos consoles de mesa, a aventura chegou a ser considerada medíocre, mas no portátil piorou por causa de controles sem boa resposta e objetivos repetitivos.

2. Saban's Power Rangers Megaforce (Nota 30)

É hora de mofar! Você leu certo, é hora de deixar esse jogo mofar em uma prateleira esquecida e bem longe de qualquer pessoa. Power Rangers Megaforce tinha uma missão simples em um gênero simples, mas não funcionou como beat 'em up. A crítica não só considerou o jogo ruim, mas também quebrado e praticamente não funcional, com travamentos frequentes e nem um fiapo de diversão para se tirar de qualquer lugar.

1. Tenkai Knights: Brave Battle (Nota 26)

É bem triste ver um jogo mais voltado ao público infantil fracassar tão miseravelmente, mas os dez críticos que o avaliaram no Metacritic foram firmes em apontar que, apesar de não ser algo quebrado como Power Rangers, não houve qualquer esforço ou criatividade para tornar a aventura chamativa, com tudo parecendo muito barato e genérico. A melhor dica vinda de um analista foi largar o jogo e trocá-lo pelos brinquedos de mesmo nome.

Agora que fechamos os piores games, vamos conferir tudo do bom e do melhor que apareceu ao longo da vida do 3DS.

Os melhores jogos do Nintendo 3DS

7. The Legend of Zelda: Majora’s Mask 3D (Nota 90)

Majora’s Mask é um game verdadeiramente único, com uma vibe difícil de replicar. Repetir o loop de três dias memorizando a rotina dos NPC em toneladas de sidequests torna esse jogo diferente de todos os demais, e o port do 3DS conseguiu fazer justiça a todo seu charme e sua bizarrice.

6. Pushmo (Nota 90)

A Nintendo sabe melhor do que ninguém o quão bom pode ser contar com jogos de empurrar blocos em seu console portátil. Assim como Tetris foi um sucesso no GameBoy, Pushmo levou novos puzzles tridimensionais para o 3DS. A crítica amou a criatividade dos desafios, o carisma do mundo e os personagens, apontando que essa era uma das melhores opções disponíveis na eshop.

5. Super Mario 3D Land (Nota 90)

Apesar de estar em um cartuchinho minúsculo, Super Mario 3D Land é uma das maiores e mais divertidas aventuras dos irmãos Mario. Trabalhando muito bem o layout dos níveis em 3D, o game realmente tirava proveito dos efeitos de profundidade do console. A crítica amou usar vários power-ups nesse que foi um dos principais motivos de compra do sistema para muita gente.

4. Shovel Knight (Nota 90)

Não se encontra por aí muitos jogos indie que fizeram mais sucesso que Shovel Knight. Uma espécie de carta de amor aos jogos de plataforma 8 bits, a jornada do cavaleiro com pá tem algumas pitadas de Mega Man e outras tantas de DuckTales, mas ainda assim os críticos destacaram sua forte identidade própria, o senso de humor e a trilha sonora.

3. The Legend of Zelda: A Link Between Worlds (Nota 91)

Tido por muitos como um dos melhores capítulos da série Zelda, A Link to the Past é um título extremamente nostálgico. A Nintendo soube explorar isso muito bem em A Link Between Worlds, que pegou vários elementos clássicos e misturou com familiaridade e inovação na medida certa. Muitos críticos cravaram que esse era o melhor jogo do sistema graças à divertida mecânica de passear pelas paredes, transformando o Link em grafite.

2. Fire Emblem: Awakening (Nota 92)

Se Fire Emblem Awakening não tivesse sido um sucesso de vendas, provavelmente teria sido o fim da franquia. Ele foi planejado justamente como o capítulo final da série, e a equipe deu tudo de si para criar as melhores batalhas táticas já vistas. Deu muito certo, e os críticos amaram os personagens cativantes e o alto nível de desafio. Com muitas vendas, Awakening garantiu diversas sequências no 3DS, além do ótimo Three Houses para Switch.

1. The Legend of Zelda: Ocarina of Time 3D (Nota 94)

Isso não deve ser surpresa para ninguém, afinal o Ocarina of Time original de Nintendo 64 é tido por muitos como o melhor jogo de todos os tempos. Seu port para 3DS conseguiu manter tudo que a épica aventura tinha de melhor, além de agregar diversas melhorias.

Uma das mudanças mais notáveis foram os controles de inventário pela tela de toque, o que fez muitos críticos apontarem que o infame Templo da Água estava bem mais agradável de explorar. O 3D também foi elogiado, assim como o design atemporal do maravilhoso mundo de Hyrule. Uma masterpiece que todos precisam conhecer.

Agora que tal contar para a gente nos comentários como ficaria a sua lista e o que você achou desse ranking?

Categorias