Acessório 'perdido' do Game Boy Color permitiria acesso à internet

1 min de leitura
Imagem de: Acessório 'perdido' do Game Boy Color permitiria acesso à internet
Imagem: YouTube/Reprodução
Avatar do autor

Lançado originalmente em 1989 no Japão e nos Estados Unidos, o Game Boy reinou na década de 1990. Extremamente popular, o portátil da Nintendo desbancou todos os concorrentes e, nos anos seguintes, ganhou diversas versões repaginadas, incluindo o Game Boy Color com seu display colorido e o Game Boy Pocket, mais compacto.

Além disso, o videogame de bolso da Big N também contava com alguns acessórios interessantes como a Game Boy Camera e a Game Boy Printer, que permitiam aos jogadores usar seus portáteis para tirar fotos e imprimi-las posteriormente. O que pouca gente sabe é que um periférico "esquecido", chamado Page Boy, quase permitiu ao Game Boy Color ter acesso à internet.

A "descoberta" foi publicada pelo canal Did You Know Gaming no YouTube, que entrou em contato com profissionais que trabalharam no projeto. O vídeo é bem detalhado e conta toda a história por trás do acessório, que acabou nunca sendo lançado e pode ser visto logo abaixo (em inglês).

O aparelhinho tornaria o Game Boy capaz de navegar na web, acessar a caixa de e-mails e até mesmo efetuar pesquisas online usando um buscador personalizado, tudo isto utilizando conexão similar à usada em pagers. Por se tratar de uma tecnologia datada e de velocidade lenta, enquanto aguardariam os resultados das buscas, jogadores veriam Mario falando e cantarolando a música do Mundo 1-1 de Super Mario Bros.

Uma outra funcionalidade sugerida pelo time de criação seria conceder aos usuários acesso a uma versão digital da revista oficial Nintendo Power, permitindo que lessem na telinha do videogame as principais novidades e reviews da publicação.

Além disso, em uma sugestão muito mais ambiciosa, a equipe por trás do protótipo tinha a intenção de lançar o Game Boy TV, que soa bastante como um precursor do Nintendo Direct. A funcionalidade permitiria à Nintendo divulgar novidades sobre seus próximos lançamentos ao vivo, transmitindo diretamente para o display do portátil.

O dispositivo custaria cerca de 50 dólares, mas acabou nunca vendo o dia. Os trabalhos no projeto rolaram por três anos, até 2002, quando a Nintendo acabou optando por cancelar a ideia.