Xbox 360: do pior ao melhor, segundo a crítica

12 min de leitura
Imagem de: Xbox 360: do pior ao melhor, segundo a crítica
Imagem: Voxel
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.

Depois de seu primeiro console ter resultados extremamente positivos, a Microsoft decidiu ir para a sétima geração com tudo, usando novas tecnologias, comprando estúdios e até mesmo mudando o controle para um modelo extremamente corpulento e ergonômico.

A estratégia deu certo, e a empresa conseguiu se tornar ainda mais popular em outros países, além dos Estados Unidos, como no nosso querido Brasilzão. Sejam bem-vindos a mais um do "Pior ao Melhor" de consoles com o Xbox 360. Aqui estão nossos critérios:

  • as notas apresentadas são baseadas no agregador de notas Metacritic;
  • separamos os sete melhores e os sete piores jogos do video game. Em caso de empate, usamos a nota dos usuários como desempate.

Vamos começar com os piores!

7. NBA Unrivaled (2009) — Nota: 25

NBA Unrivaled foi desenvolvido pela ACRONYM Games e lançado em 2009. A ideia era que fosse parecido com os games antigos da modalidade, contando com todos os times licenciados da liga, mas esse é o único ponto positivo de Unrivaled.

Ele tem animações bizarras, controles estranhos, péssimos ângulos de câmera, inteligência artificial terrível e gráficos horrorosos. Juntando tudo isso, podemos dizer que ele é um dos piores games de basquete já feitos. A nota é 25.

6. Amy (2012) — Nota: 25

Fonte:  Xbox 

Em Amy, lançado em 2012, o jogador está no controle de Lana, encarregada de escoltar e proteger uma jovem chamada Amy enquanto tentam escapar de uma cidade em colapso. Com uma pegada bem survival horror, elas têm de enfrentar diversas ameaças, como monstros e militares, para cumprir seu objetivo.

Parece um pouco com The Walking Dead da Telltale e The Last of Us, mas é totalmente diferente pela péssima qualidade do produto. O sistema de contaminação até é interessante, mas os controles são ruins, o combate é desajeitado e o stealth é frustrante, sendo um desperdício de uma ótima ideia. A nota é 25.

5. The Leisure Suit Larry: Box Office Bust (2009) — Nota: 25

Se tem uma palavra que define bem The Leisure Suit Larry: Box Office Bust é uma que está no próprio título: "bust", que significa fracasso. O jogo lançado em 2009 acompanha Larry Lovage, o sobrinho de Larry Laffer, em uma estranha aventura para descobrir quem está tentando sabotar o estúdio de filmes de seu tio.

Segundo os críticos, o título está longe de ser divertido, é uma piada de péssimo gosto e não deve ser comprado por ninguém em hipótese alguma. Esse foi o segundo jogo da franquia a ser feito sem o envolvimento de Al Lowe, criador da série, que agradeceu à desenvolvedora por mantê-lo longe desse desastre. O jogo tem nota 25.

4. Fast & Furious: Showdown (2013) — Nota: 22

É, senhor Dominic Toretto, sua franquia pode fazer sucesso nos cinemas, mas no mundo dos games é só desgraça. Fast & Furious: Showdown, lançado em 2013, é um jogo cooperativo de corrida com todos os personagens da série de filmes, menos o interpretado por Vin Diesel. Os players devem cumprir diversas missões que misturam corrida com batalhas de carros.

Agora é a hora da porrada: esse game não faz nada certo! Ele é todo quebrado, pouco divertido e só é interessante para jogadores casuais extremamente fãs da franquia (isso se tiverem coragem de gastar dinheiro com ele). A nota é 22.

3. Ride to Hell: Retribution (2013) — Nota: 19

Sabe aquele tipo de game que é lançado só para pegar onda no hype de alguma coisa, porém é um completo desastre? Ride to Hell: Retribution se encaixa bem nessa descrição. Tentando se aproveitar do sucesso de Sons of Anarchy, o jogo tem uma gameplay quebrada e repetitiva, controles horrorosos, gráficos datados, inteligência artificial péssima e cenas de amor, se assim podemos dizer, bizarras. O jogo é uma das piores coisas que a indústria já produziu e tem nota 19.

2. Yaris (2007) — Nota: 17

Yaris, lançado em 2007, é um jogo propaganda da Toyota com o objetivo de popularizar a linha de carros subcompactos homônima. Foi lançado gratuitamente por meio do Xbox Live Arcade e tem jogabilidade que mistura corrida arcade com tiroteio.

Normalmente, jogos propaganda não são bem recebidos, já que focam muito mais a marca do que necessariamente a qualidade do jogo, e Yaris se mantém nesse padrão. Para os analistas, ele não tem nada de bom, sendo péssimo dos gráficos aos controles, passando pelo horroroso modo online. A nota é 17.

1. Double Dragon II: Wander of the Dragons (2013) — Nota: 17

Em primeiro lugar, temos Double Dragon II: Wander of the Dragons, lançado em 2013. Baseado no jogo de arcade Double Dragon II: The Revenge, é um beat'em up side-scrolling, mas com gráficos 3D. O que era pra ser uma revitalização do original se tornou uma desgraça para seu legado. Chato, sem inspiração, bugado e incompleto foram alguns dos comentários feitos pelos jornalistas que tiveram o desprazer de analisá-lo. A nota é 17.

Agora, vamos para os melhores.

7. Red Dead Redemption (2010) — Nota: 95

Red Dead Redemption, lançado em 2010, não foi a primeira investida da Rockstar no Velho Oeste, mas foi a que deu mais certo. Acompanha-se a história de John Marston, um fora da lei que aceita o trabalho de assassino de aluguel para o governo com o objetivo de salvar sua esposa e seu filho. E qual é sua missão? Levar para a justiça três membros de seu antigo grupo, a gangue Van der Linde.

O apelido "GTA do Velho Oeste" não é somente por ser desenvolvido pela Rockstar, mas também por proporcionar a mesma liberdade e grandiosidade que a famosa série de caos urbano. O jogador pode realizar diversas tarefas secundárias, caçar, andar a cavalo livremente e se envolver em brigas. Também tem um modo multiplayer para até 16 jogadores e recebeu uma expansão chamada Undead Nightmare, com uma campanha single player totalmente nova e a presença de mortos-vivos.

Após 10 anos de seu lançamento, Red Dead Redemption já é considerado um clássico por conta de seu elenco memorável, sua variedade de histórias divertidas, sua quantidade enorme de atividades secundárias, sua história empolgante e sua boa quantidade de opções multiplayer. Recebeu algumas críticas relacionadas a diversos bugs e opções limitadas de customização no multiplayer, mas isso nem arranha seu legado incrível. A nota é 95.

6. The Elder Scrolls V: Skyrim (2011) — Nota: 96

Em sexto lugar temos The Elder Scrolls V: Skyrim, lançado em 2011. Já vale de cara dizer que ele é o maior sucesso comercial da franquia, com 30 milhões de unidades vendidas em 5 anos.

O personagem principal é um dragonborn, indivíduo que nasceu com alma e sangue de dragão, mas corpo mortal. Falando neles, os dragões estão espalhados por todo o mundo de Skyrim e diversas vezes o jogador é surpreendido por um deles, que só estarão satisfeitos quando o fizerem em pedacinhos. Em vez de um mundo inspirado nos clássicos medievais, o universo é construído tendo a cultura nórdica como base, o que agradou muito os fãs de vikings.

O sistema de classes foi abolido, mas, por incrível que pareça, isso foi bem-recebido por parte da crítica, que disse que os jogadores que gostariam de moldar um personagem balanceado poderiam fazê-lo, além de ficar no estilo preferido. O combate não foi tão bem-recebido assim, mas a habilidade de usar em uma mão uma arma e na outra uma magia foi elogiada. E ele é lotado de glitches e bugs, alguns que até atrapalham de verdade a jogabilidade. Mesmo assim, Skyrim é um clássico do mundo dos video games e um título obrigatório para os fãs de RPG. A nota é 96.

5. Mass Effect 2 (2010) — Nota: 96

Em quinto lugar, temos Mass Effect 2. O game lançado em 2010 acompanha mais uma vez o Comandante Shepard, que deve ganhar a lealdade de toda a tripulação para juntos acabarem com os Collectors que estão ameaçando a humanidade. O problema é que essa missão pode custar a vida de todos os envolvidos.

É possível importar o personagem do game anterior, o que traz todas as grandes decisões tomadas e pode afetar a história. Se for criar um novo personagem, o jogador pode escolher entre seis classes, cada uma com habilidades e armas específicas. O player também pode explorar os mundos disponíveis para pegar e completar quests que geram pontos de experiência e avançam a história.

Diferente do primeiro jogo, em que as armas atiravam por longos períodos, nesse título elas têm pentes de munição que precisam ser recarregados. A parte de diálogo e moralidade estabeleceu um padrão com respostas em cima mais educadas e altruístas enquanto as de baixo são agressivas e hostis. O mesmo vale para as da esquerda, que continuam uma conversa, e as da direita, que a encaminham para o fim.

Acabando a campanha, desbloqueia-se o New Game Plus, que permite reusar o personagem em uma segunda jogatina, sendo uma novidade na franquia. Algumas das melhorias técnicas feitas pelos desenvolvedores estão relacionadas a texturas, frame rate e luz dos cenários. No total, 90 atores interpretaram os 546 personagens e gravaram mais de 25 mil linhas de áudio. Além da equipe do estúdio de Edmonton, 30 pessoas foram mandadas pela EA para ajudar. O premiado compositor Jack Wall retornou para cuidar da trilha sonora, dando um tom muito mais maduro e denso, para combinar com a história do jogo.

E, obviamente, o título foi um completo e absoluto sucesso, tendo faturado diversos prêmios de Melhor RPG e Game do Ano, mesmo competindo com jogos de peso como Red Dead Redemption, God of War 3 e Halo: Reach. Os analistas o amaram, descrevendo-o como muito emocional. Elogiaram a atuação, a história interativa, a arte, os personagens, as missões principais e secundárias, os gráficos, a trilha sonora, a gameplay… Mass Effect 2 foi descrito como uma das melhores experiências para amantes de ficção científica e classificado como a "ópera espacial definitiva". Tem nota 96.

4. The Orange Box (2007) — Nota: 96

Fonte:  Valve 

The Orange Box foi uma compilação de jogos da Valve lançada em 2007 com os seguintes jogos da empresa: Half-Life 2, Half-Life 2: Episode One, Half-Life 2: Episode Two, Portal e Team Fortress 2, todos conhecidos e renomados.

Falando rapidamente de cada um: Half-Life 2 e seus dois episódios continuam a história de Gordon Freeman, que está a caminho da Cidade 17 após o incidente de Black Mesa atrair a atenção do império multidimensional Combine. Portal é um puzzle inovador que coloca o jogador na posse de uma arma de portais que deve ser utilizada para passar por todas as câmeras de teste com o objetivo de ganhar um bolo. Por fim, Team Fortress 2 é um multiplayer competitivo em que dois times formados por agentes com habilidades únicas se enfrentam.

The Orange Box é considerado um dos melhores compilados de jogos já lançados no mercado. Cada um dos cinco games é extremamente divertido e tem quantidade bem grande de conteúdos de altíssima qualidade. A nota é 96.

3. BioShock (2007) — Nota: 96

Lançado em 2007, BioShock coloca o jogador na pele de Jack, um sobrevivente de acidente de avião que acaba indo até a utópica cidade subaquática Rapture. Quando tudo parece um paraíso, uma rebelião de viciados na substância genética ADAM é instaurada, transformando o lugar em puro e completo caos.

É um FPS com alguns elementos de RPG e survivor horror, que gera diversos sustos no decorrer da gameplay. Além dos viciados em ADAM, o jogador deve enfrentar os icônicos Big Daddies, pessoas presas em armaduras de mergulho que são acompanhadas pelas Little Sisters.

BioShock é considerado por diversos veículos de mídia um dos melhores jogos já feitos. Sua atmosfera e sua arte são espetaculares, há diversas opções de customização no combate e o elenco de vozes é espetacular. Apresenta alguns problemas técnicos e pouco penaliza as mortes do jogador, o que torna a experiência fácil, mas não pouco emocionante. A nota é 96.

2. Grand Theft Auto V (2013) — Nota: 97

No segundo lugar, temos Grand Theft Auto V, lançado em 2017. É um dos maiores jogos já feitos, sendo o segundo game mais vendido da história, um dos maiores em relação a orçamento e o produto de entretenimento mais rentável já criado.

GTA V é o primeiro a ter mais de um protagonista para a trama, colocando o jogador na pele do jovem da periferia de Los Santos Franklin Clinton, do ex-assaltante de bancos Michael De Santa e do redneck maluco Trevor Phillips. O jogo vai alternando entre eles durante as missões, mas o player tem a liberdade de mudar para o que quiser quase em todos os momentos da história.

Seu gigantesco mapa tem diversas áreas, como Los Santos, Vinewood, Vespucci Beach e Blaine County, totalizando 362,6 quilômetros quadrados — maior que a cidade de Belo Horizonte (MG).

Na parte sonora, 241 músicas estão presentes nas 17 estações de rádio disponíveis, 2 das quais são de bate-papo. Além disso, GTA V conta com um modo online que está ativo e recebendo atualizações gratuitas até hoje, gerando ainda mais lucro para a desenvolvedora.

O jogo foi lançado para PS3 e Xbox 360 em 2013, mas recebeu versões para PS4 e Xbox One no ano seguinte; em 2015, finalmente chegou ao PC. Como se não bastasse, o jogo foi confirmado para PS5 e Xbox Series X em 2021, mas acabou sendo adiado para março de 2022.

Como você já sabe, ele é um completo e absoluto sucesso. A crítica elogiou a atenção aos detalhes, o visual, os protagonistas, o mundo aberto gigantesco, a história, as missões de assalto, o sistema de luz e muito mais. A versão para as novas gerações foi elogiada pelas melhorias gráficas e pela novidade do modo em primeira pessoa. O jogo recebeu diversos prêmios de Melhor Jogo do Ano e é constantemente citado como um dos melhores já feitos. Leva a medalha de prata com nota 97.

1. Grand Theft Auto IV (2008) — Nota: 98

Encabeçando a lista, temos Grand Theft Auto IV, lançado em 2008. Esse foi o primeiro jogo da franquia a sair para PS3 e Xbox 360, além de ser o primeiro em que o protagonista não é americano. Niko Bellic, que nasceu no leste europeu, chega à cidade em um navio de carga para conquistar o "sonho americano", procurar o homem que traiu sua unidade de guerra 15 anos antes e se reunir com seu primo Roman, que ama boliche.

O jogo é o primeiro da chamada Era HD, por conta da decisão da desenvolvedora de mudar o estilo e o tom do game para algo mais realista e detalhado, que vai contra o que era padrão antes. Para conseguir esse resultado, a produção do título passou pelas mãos de diversos estúdios da Rockstar no mundo. Foi o segundo jogo a usar o motor gráfico RAGE, que é utilizado até hoje pela empresa em seus mais diversos jogos.

Ele contém 19 rádios, sendo que 3 delas são de conversas. Entre os participantes dessas rádios, estão Iggy Pop, Bill Hader e Patrice O'Neal.

GTA IV basicamente estabeleceu um novo patamar para a franquia, para os jogos de mundo aberto e para todo o mundo dos video games. A cidade e seu visual foram aclamados, assim como a narrativa e o protagonista. O combate é mais responsivo que nos games anteriores, o design de som é ótimo, a trilha sonora é cheia de sucessos e as estações de rádio têm um ótimo humor. Fica em primeiro nesta lista, com nota 98.