Take-Two cancela game de US$ 53 milhões do estúdio de Mafia 3

1 min de leitura
Imagem de: Take-Two cancela game de US$ 53 milhões do estúdio de Mafia 3
Imagem: Netflix

A Take-Two anunciou hoje, em conferência com investidores, que cancelou um game que estava em desenvolvimento desde 2017. Informações posteriores confirmaram que esse jogo estava sendo feito pelo pessoal do Hangar 13, mesmo estúdio responsável pelo Mafia 3.

O jogo foi cancelado depois da produtora já ter investido US$ 53 milhões nele. Mas, mesmo assim, a empresa decidiu que teria menos prejuízo agora do que tentando completar o game. O cancelamento deixou funcionários da Hangar 13 preocupados com o futuro de seus empregos, segundo o Kotaku.

O jogo em questão tinha o codinome Volt, inspirado pela antiga série japonesa Golion, adaptada nos EUA para Voltron - e com um remake recente na Netflix. O anime trazia cinco leões robóticos que se combinavam num mecha gigante, e é isso que a galera da Hangar 13 queria trazer para o game, como uma habilidade dos inimigos, não dos heróis.

Os jogadores teriam classes cooperativas clássicas de jogos de tiro para enfrentar esses inimigos capazes de se combinar em ameaças maiores. O jogo estava sendo planejado como um "live game", ou "jogo como serviço". Do tipo que recebe updates constantes e itens para comprar, no estilo de Destiny 2 ou Vingadores.

O Kotaku obteve um e-mail enviado pelo líder do Hangar 13 para seus funcionários, confirmando o cancelamento do game. Tentando tranquilizar as pessoas sobre o futuro de seus empregos, Haden Blackman escreveu na carta que está "seguro que existem muitas oportunidades para empregados do H13 trabalharem em outros jogos em desenvolvimento, tanto no H13 como em outros estúdios da produtora".

A Take-Two também se pronunciou sobre o cancelamento depois que a informação se tornou pública, mas não deu motivos concretos para sua decisão. A produtora declarou apenas que às vezes isso acontece, mas que acredita na capacidade do estúdio Hangar 13 de fazer um jogo que será um sucesso comercial e de crítica.

Fontes