Nintendo impede outro torneio de Smash Bros.

1 min de leitura
Imagem de: Nintendo impede outro torneio de Smash Bros.
Avatar do autor

A Nintendo of America impediu a realização de um torneio organizado por fãs que teria uma versão modificada de um de seus jogos como uma das modalidades.

O Riptide estava programado para acontecer ainda em 2020, mas foi adiado por conta da pandemia da COVID-19. Um de seus destaques seria uma competição de Super Smash Bros. Brawl, a partir do mod Project+. Já neste ano, o evento foi marcado para 10 de setembro em um parque aquático chamado Kalahari Resort, na cidade norte-americana de Sandusky, em Ohio.

Entretanto, a organização deu as más notícias na última sexta-feira (27). Por determinação de um representante da Nintendo e para evitar maiores problemas, a Riptide foi obrigada a remover o game da lista de atrações.

"Nós compreendemos o impacto dessa notícia para a comunidade do Project+. Vamos contatar em breve os participantes registrados para os eventos com o Project+ com mais informações e os procedimentos para reembolso", diz o comunicado.

Qual o problema?

O Project+ é uma modificação lançada por fãs que melhora outra alteração similar, o Project M. Ele traz diversas melhorias ao jogo original, incluindo novos golpes e roubas, balanceamento de personagens e movimentos mais fluidos para jogatina competitiva.

Como muitos jogadores e fãs já estavam até mesmo com passagens e bilhetes comprados para competir, o descontentamento com a empresa foi geral e muitas reclamações foram registradas nas redes sociais. Agora, só torneios de Smash Bros. Melee e Smash Bros. Ultimate "puros" e outros títulos, como Splatoon 2, serão realizados. Uma competição similar estava prevista para outubro deste ano ainda com o Project+, mas agora esse evento também está ameaçado.

No ano passado, outra organização de fãs foi encerrada pela marca por conter cópias não oficiais do jogo.

O principal argumento da comunidade é que os servidores multiplayer de Super Smash Bros. Brawl já estão offline há anos e o Project+, que foi lançado em 2008 para Wii, opera de forma totalmente offline e a partir do disco original do game. Ou seja, não há pirataria envolvida e o problema seria puramente a utilização do mod.

Fontes