Far Cry 6: Ubisoft não quer que o jogo seja uma 'declaração política'

1 min de leitura
Imagem de: Far Cry 6: Ubisoft não quer que o jogo seja uma 'declaração política'

Mesmo que para criar o ambiente caótico da ilha de Yara, em Far Cry 6, os produtores decidiram conversar com guerrilheiros reais, a Ubisoft deixou claro que não quer que o título seja uma "declaração política".

Em entrevista ao TheGamer, o diretor narrativo do jogo, Navid Khavari, afirmou que a ideia do jogo seria prestar uma homenagem aos guerrilheiros do passado e, ao mesmo tempo,  se afastar de eventos do mundo real.

Khavari também comentou que eles conversaram com guerrilheiros reais que atuavam nas décadas de 50 e 60 que foram as principais inspirações para o jogo. Ainda assim, a equipe tentou fugir do contexto da revolução cubana, que aconteceu entre 1953 e 1959, colhendo histórias de outros confrontos ao redor do mundo para montar uma trama única e original.

Mesmo que a desenvolvedora francesa esteja fugindo de um posicionamento político, a narrativa promete explorar de forma clara as circunstâncias profundas e complexas que envolvem uma revolução, entrando até em assuntos mais filosóficos

Hoje mais cedo, o jogo ganhou trailers de gameplay oficial e data de lançamento oficial. Far Cry 6 chegará para PS4, PS5, Xbox One, Xbox Series X/S e PC em 7 de outubro.

Far Cry 6: Ubisoft não quer que o jogo seja uma 'declaração política'