Nioh Collection é chance espetacular de conhecer ou rever franquia no PS5

5 min de leitura
Imagem de: Nioh Collection é chance espetacular de conhecer ou rever franquia no PS5

Se você ainda não é um adepto da receita masoquista que mudou a forma como enxergamos video games (e o mérito é da FromSoftware por isso), Nioh Collection pode ser uma boa oportunidade de redenção.

A coletânea reúne os dois títulos da franquia com todas as expansões e modos adicionais, aprimorando o visual e a performance da jornada no PS5. Portanto, caso você ainda não seja um membro do “fã-clube” da Koei Tecmo, conhecida pela milenar série Dynasty Warriors, a compilação pode ser uma generosa porta de entrada.

Aqui no Voxel você pode conferir a análise do primeiro Nioh e de sua sequência. Nesta matéria, vou falar especificamente dos acréscimos que as remasterizações trouxeram ao novo console da Sony, como telas de transição mais rápidas, modo em 120 fps e mais. Não há uma regra para escolher o seu modo favorito, mas existe um consenso do que deve ser levado em conta: cada escolha é uma renúncia. Vamos aos pormenores.

Confira abaixo a videoanálise.

Esclarecendo as três configurações técnicas

Basicamente, cada um dos jogos tem três configurações técnicas: o modo 4K, a alternativa em 120 fps e a “opção padrão para o console PlayStation 5” – sim, esse é o nome de um dos modos. Mais capciosa ainda é a descrição: ela não elucida exatamente que tipo de benefício traz em relação, por exemplo, ao modo 4K.

Destrinchando cada uma dessas especificações, o que temos é o seguinte: o modo 4K otimiza a resolução, visando estabilizá-la na casa dos 2160 p, sem oscilações, deixando as renderizações de fundo mais nítidas, perceptíveis ao dar zoom na imagem, afinal, a contagem de pixels é maior. É um efeito natural da resolução aumentada.

Já a alternativa “padrão para o console PlayStation 5”, que seria uma espécie de “modo qualidade”, aprimora detalhes como sombra e luz, dando um aspecto mais encorpado a esses elementos no panorama da imagem, especialmente sombras. Esse salto, porém, só ocorre ao custo de resolução. Portanto, a contagem de pixels é reduzida, mas outras nuances do visual ganham recheio, especialmente a silhueta de sombras.

Por fim, temos o modo em 120fps, que impulsiona os jogos aos 120 quadros por segundo sob o preço da aparência. É uma opção altamente voltada à performance, não ao caráter gráfico, uma vez que esse salto no desempenho acontece em detrimento de resolução e de requintes visuais.

Então, um jogo menos vistoso e mais rápido ou menos rápido e mais bonito: o que você prefere? Meio difícil decidir, né? Observe as capturas a seguir.

Modo 4K em zoomModo 4K em zoom.Fonte:  Voxel 

Modo padrão para o console PS5 em zoomModo padrão para o console PS5 em zoom.Fonte:  Voxel 

Modo 120fps em zoomModo 120 fps em zoom.Fonte:  Voxel 

Imagem premium vs. performance: embate eterno

Depois de me esbaldar em ambas as remasterizações no PS5, minhas indicações são as seguintes: o primeiro Nioh, por se tratar de um jogo de 2017 que nunca teve, digamos, seu maior semblante nos gráficos, pode ter a resolução um pouco sacrificada em prol da performance. Nele, os modos 4K e “padrão para o console PlayStation 5” apresentaram quedas em 60 fps.

Portanto, o melhor custo-benefício é optar pelos 120, uma vez que o visual não é o grande páreo aqui. Experienciar a jornada em 120 quadros por segundo é um caminho sem volta. As movimentações são rápidas, o combate é mais suave e parece até que o jogo se torna mais fácil, tamanha a fluidez de animações. É possível sacrificar um pouco da imagem sem gerar ruídos visuais.

Nioh no PS4 Pro, modo filmeNioh no PS4 Pro, modo filme.Fonte:  Voxel 

Nioh no PS5, modo 4KNioh no PS5, modo 4K.Fonte:  Voxel 

Nioh 2, por outro lado, segue um caminho diferente: aqui, o modo “padrão para o console PlayStation 5” se mostrou mais interessante. A configuração melhora a renderização de sombras, reflexos, espelhamento e faz tudo isso em 60 fps, ao custo de algumas quedas na resolução. Basicamente, ele reduz a contagem de pixels para entregar outras melhorias também focadas em imagem.

O modo 4K e a opção em 120 fps realçaram mais quedas na taxa de quadros por segundo, portanto o melhor custo-benefício em equilíbrio de imagem e performance no Nioh 2 é, novamente, o modo “padrão para o console PlayStation 5”. Aqui, passar uma gilete no visual já não é tão interessante, porque se trata de um jogo de 2020. Há um cartão-postal gráfico melhor do que o primeiro título. Colocá-lo em xeque pode deixar a imagem com o incômodo de aspecto lavado.

Cross-save

Sobre o cross-save, que seria “salvamento cruzado”(em tradução livre e como está no menu do jogo, inclusive), você tem a possibilidade de transferir todo o seu progresso do PS4 para o PS5. Enfrentei alguns probleminhas com o recurso no primeiro Nioh, logo depois de importar meu save do jogo platinado do PS4.

--Fonte:  Voxel 

A tela travou algumas vezes quando tentei entrar em qualquer fase. Encerrei a instância do jogo, reiniciei e funcionou, mas depois tornou a travar. A Koei Tecmo lançou atualizações que parecem ter corrigido o problema, mas fica o aviso amigo da minha experiência.

Santo SSD

Outro absurdo salto a ser idolatrado é a velocidade nas telas de carregamento. É questão de poucos segundos entre selecionar uma fase e já estar efetivamente jogando naquele cenário.

Os loadings são extremamente rápidos graças à tecnologia de armazenamento de dados do PS5 em harmonia com o restante dos circuitos do aparelho. O sistema é responsivo em proporções que não dão respiro de pausa e permitem que o ritmo não deixe a peteca cair.

--Fonte:  Divulgação/Sony 

Vale a pena?

Nioh Collection é um conjunto valioso quando observado isoladamente, em especial aos marinheiros de primeira viagem. Os dois jogos, degustados com suas expansões e conteúdos pós-game, reservam, tranquilamente, mais de 300 horas de gameplay.

Já aos que estão revisitando a experiência, todo o progresso é carregado às remasterizações – e prepare-se para coletar uns troféus a mais, viu? Mesmo que tenha platinado Nioh 1 e 2 no PS4, o troféu supremo não brota automaticamente quando você transferir o save, mas quase todos os outros pipocam na tela (inclusive os piores, sim).

Você só vai precisar refazer algumas coisas para platinar os dois jogos na versão de PS5. Se for novato na fórmula, separe mais de 400 horas de sua vida – e cada minuto investido vai valer a pena.

Imagem: Jogo Nioh Collection - PlayStation 5
Imagem: Tecmundo Recomenda

Jogo Nioh Collection - PlayStation 5

Viaje pelo Japão na era Sengoku para enfrentar oponentes assustadores e guerreiros lendários em um combate brutal extremamente rápido com esta grande coleção.

Nioh Collection é chance espetacular de conhecer ou rever franquia no PS5