O sucesso de The Witcher 3: Wild Hunt é unânime. A qualidade da sequência ficou impecável, e a CD Projekt Red cumpriu as promessas em cima do hype que construiu. O jogo é denso, longo e capaz de atender a públicos exigentes e casuais, com uma dublagem exemplar em português brasileiro. Some a isso um marketing competente e um produto físico cheio de brindes (quem não se lembra dos adesivos, do CD com a trilha sonora, do mapa e de outros brindes na versão em caixinha?). Pronto: o resultado da receita é sucesso.

Para falar sobre esses e outros aspectos, a equipe da CD Projekt Red esteve na Brasil Game Show 2015 e conversou com o TecMundo Games sobre o sucesso do título em escala mundial, o feedback dos fãs brasileiros e a expansão Hearts of Stone, que dá sobrevida à aventura de Geralt de Rívia e arrancou um polpudo 90 em nossa análise. Batemos um papo com Marcin Iwinski, cofundador da empresa, e Michal Nowakowski, vice-presidente sênior de desenvolvimento de negócios.

Obrigado, Brasil

“Tivemos um feedback incrível dos jogadores brasileiros. Investimos na localização, foram mais de 500 páginas de textos e muito diálogo. As vendas foram fenomenais. Queremos agradecer os jogadores por confiarem na gente, gastarem seu suado dinheiro no jogo”, disse Iwinski.

Para Nowakowski, o Brasil é um dos grupos “com mais voz” sobre games. “As mídias sociais movimentam coisas incríveis por aqui. Ficamos surpresos. Muitos fãs nos escreveram em inglês e recebemos muitas coisas legais dos brasileiros, foi muito bom. Definitivamente faremos mais coisas aqui, as pessoas deram esse retorno”, contou.

Iwinski falou sobre as dificuldades que giram em torno de toda a logística na produção de um jogo, desde o desenvolvimento até a localização e distribuição. “Até na Polônia tivemos dificuldade. (...) Olhamos para o Brasil e pensamos: ‘Há muita gente aqui’. Quisemos investir pesado aqui e deu certo”, explicou.

A forte cultura Geek no Brasil

Na opinião de Nowakowski, a cultura geek no país foi algo que impulsionou o sucesso do game por aqui. “Percebemos que há uma cultura geek muito forte no Brasil. Um RPG como The Witcher 3 poderia fazer sucesso por aqui, e acertamos em pensar assim”, disse. “Eu não tinha dúvidas”, ressaltou o cofundador.

O elenco de dubladores também foi fundamental para o sucesso. Sergio Moreno como Geralt de Rívia, por exemplo, foi um acerto na escolha da equipe. “Ele é um grande ator e dublador. Se encaixou muito bem no jeitão do Geralt”, elogiou Iwinski.

Mais expansões a caminho?

Neste momento, a CD Projekt Red está concentrada no pós-lançamento de The Witcher 3. Hearts of Stone é a primeira grande expansão do jogo, e a equipe disse que “há muitas histórias a contar sobre o universo da franquia”, sugerindo muito mais conteúdos no futuro.

“É um mundo muito grande [o de The Witcher]. Há muitas histórias que podem ser contadas. Neste momento, o foco é Hearts of Stone, que também localizamos para o português brasileiro e conta com 10 a 15 horas de jogatina”, disse Nowakowski.

A pergunta que não podia faltar! E Cyberpunk 2077?

Face ao sucesso de The Witcher 3, o TecMundo Games não pôde deixar de perguntar sobre Cyberpunk 2077, a próxima (e ambiciosa) empreitada da CD Projekt Red. Iwinski foi enfático: “Sim, sim, estamos todos trabalhando nele! E trabalhando duro, aliás”, disse.

Por enquanto, a equipe evita se alongar muito sobre os detalhes e disse que o foco está em The Witcher 3, mas não se preocupem: “Vai sair e deve chegar ao PC e aos consoles da nova geração”, esclareceu a equipe.

CD Projekt Red agradece fãs brasileiros pelo sucesso de The Witcher 3 e quer mais planos no Brasil! Comente o assunto no Fórum do Baixaki Jogos.

Cupons de desconto TecMundo: