Tem se tornado cada vez mais comum ver desenvolvedores brasileiros dando vida a games de qualidade. Sejam eles títulos de ação, RPG, aventura, corrida e até mesmo dança, todos acabam conquistando o público de alguma forma, e o exemplo mais recente é o de Passinho Dance. 

Criado por Francisco Ronaldo, Júlia Ferreira e Allison Cavalcante, todos moradores da favela da Rocinha e com 15 anos, o game para sistema Android convida o jogador a testar suas habilidades no passinho, que é inspirado na dança que contagiou os habitantes das comunidades cariocas. 

Com várias canções que ficaram conhecidas entre os adeptos do passinho, Passinho Dance desafia o jogador a testar sua coordenação tocando na tela no momento certo para dar continuidade à coreografia. A descrição do game, aliás, mostra que o desafio não é dos mais fáceis, pois “se você errar ou não dançar por cinco passos, já era, game over”. 

Francisco, Julia e Allison exibem sua criação, o Passinho Dance

Entretanto, engana-se quem pensa que a ideia para projeto surgiu única e exclusivamente para mostrar a nova febre do momento entre as comunidades. Na verdade, o intuito foi mais nobre e tem uma missão um pouco maior: tentar tirar os jovens da vida do crime. 

Em busca de apoio 

Ainda que a divulgação do game tenha sido majoritariamente boca a boca e por meio das redes sociais, o trio, que integra a startup Favela Game, está em busca de apoio para fazer do projeto algo ainda maior. Apesar de já estar disponível para download, a ideia dos jovens é melhorar o game, e para isso precisam conseguir cerca de R$ 45 mil para financiar a empresa e o título (que atualemente esta em versão de teste). 

A campanha em questão foi iniciada no dia 24 de julho no site Sibite e termina nesta terça-feira (1º), mas o destino dela talvez não seja dos melhores: no momento do fechamento dessa notícia, o projeto tinha arrecadado apenas R$ 1,3 mil – valor que realmente está bem abaixo do esperado. 

Entretanto, essa não será a única saída para o grupo. O trio também está em busca de patrocinadores e parcerias com empresas (públicas ou privadas), e já conseguiu um grande feito: o Passinho Dance conseguiu atrair a atenção da Espaço Nave, uma pré-aceleradora de startups da universidade Estácio de Sá que vai oferecer apoio aos membros do Favela Game. 

Outro detalhe que vale a pena ser mencionado é que tudo isso surgiu por conta de uma oficina realizada pela ONG Tunnel Lab, que tinha como intuito despertar o interesse por empreendedorismo e tecnologia nos jovens da Rocinha. E, pelo visto, ao menos uma semente foi plantada e já está germinando.

O que você acha da qualidade dos jogos que estão sendo lançados por desenvolvedores brasileiros? Comente no Fórum do TecMundo