Um estudo feito pela Ohio State University só confirmou o que o público gamer já sabia faz tempo (e insistia em ignorar). Segundo a pesquisa, mulheres sofrem assédio sexual online a todo momento nas partidas de jogos online — e esse tipo de ofensa é a mais difícil de ser esquecida após as partidas.

Os cientistas entrevistaram 293 jogadoras de títulos como World of Warcraft e Team Fortress 2 com média de 26 anos de idade. As voluntárias falaram que são capazes de relevar palavrões e ofensas em geral, mas os abusos de cunho sexual deixam marcas.

O principal problema é a natureza desse comportamento: comentários sexistas e piadas sobre estupro são feitos somente porque a jogadora está do outro lado, independente de seu desempenho — não que jogar mal habilite a pessoa a ser xingada, claro. As entrevistadas não chegam a culpar as empresas por isso, mas lamentam que atitudes punitivas não sejam tomadas mesmo após várias denúncias.

Ainda é tabu

Cada voluntária respondeu a um questionário sobre se elas já passaram por abuso geral ou sexual durante jogos online, quanto elas refletiram sobre ele depois, como a administração do game reagiu e de que modo elas lidaram com a situação. As mulheres responderam que não passam muito tempo pensando no assédio depois de desligarem o game, mas esse é um fator que pode levar elas a deixar de jogá-lo no futuro.

E os casos têm semelhanças com o que homens fazem no offline: as vítimas tendem a entrar em estado de negação de que aquilo é um problema, evitam falar sobre o assunto, buscam ajuda ou até se culpam pelo ocorrido. Algumas ainda tomam uma decisão que só é possível no online: criar um personagem masculino que não as representa, mas que servem para evitar as perseguições.

Você já sofreu assédio em games online por ser mulher? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: