Se você está cansado do transporte público de sua cidade, saiba que você não é o único. O designer inglês Paul Priestman também não estava satisfeito com o sistema de trens existente em Londres e decidiu imaginar uma forma de agilizar o processo de locomoção das pessoas dentro e fora da capital inglesa.

A partir disso, ele criou o conceito das “Moving Platforms” que, como o próprio nome sugere, funcionam como uma espécie de estação móvel. A ideia de Priestman é que o passageiro não tenha de esperar até o próximo trem, pois o próprio ponto irá levá-lo até o veículo. Com isso, temos um fluxo constante de trens circulando em alta velocidade que jamais pararia.

Além disso, o projeto facilitaria a vida do próprio cidadão comum, já que ele teria de transitar menos de um local para o outro. O designer explica que as estações móveis estariam presentes em vários pontos das cidades e sempre em movimento, criando uma rotatividade de usuários tão grande que os problemas de espera e de lotação máxima deixam de ser uma dor de cabeça para quem depende do transporte público.

(Fonte da imagem: Divulgação/Paul Priestman)

Priestman sugere também que as Moving Platforms funcionem com integração total entre as linhas, o que significa que a pessoa poderá transitar por toda a malha ferroviária com mais tranquilidade, pois tudo seria conectado. Ele ainda aponta a substituição dos tradicionais tickets por cartões de identificação baseados em ondas de rádio pré-pagos, cujos créditos seriam descontados automaticamente à medida que o passageiro embarca.

Contudo, o designer sabe que seu conceito não sairá do papel tão cedo, principalmente por exigir uma reforma total no transporte público europeu. Porém, isso não o desanima. Em entrevista ao canal CNN, Priestman provoca e afirma que seu projeto é um convite às pessoas repensarem a forma com que elas se locomovem e como elas querem fazer isso no futuro.