Criado pelo estudante de design Anirudha Surabhi, o Projeto Kranium tem como objetivo provar que o papelão pode ser um material mais adequado para a construção de capacetes do que o poliestireno usado atualmente. Segundo ele, equipamentos desenvolvidos com a opção são muito melhores em absorver impactos, além de terem um preço de produção muito menor.

No site oficial do projeto, o estudante afirma que as fabricantes de capacetes estão muito mais focadas na aerodinâmica e no design do que na proteção de ciclistas, algo pouco importante para quem está acostumado a se locomover em ambientes urbanos. Segundo ele, os equipamentos tradicionais são capazes de proteger o usuário em somente 16% dos acidentes.

Mais proteção para ciclistas

O fabricante afirma que o Kranium é capaz de absorver uma quantidade quatro vezes maior de energia que seu correspondente em poliestireno, além de possuir uma durabilidade muito maior. Um vídeo mostra a invenção sendo esmagada cinco vezes, e mesmo após sofrer diversos impactos, ainda foi capaz de passar nos testes de durabilidade britânicos para este tipo de equipamento.

(Fonte da imagem: Projeto Kranium)

Um composto de acrílico à prova d’água aplicado ao papelão utilizado garante que o capacete não se desmancha em dias de chuva ou devido ao suor resultante de exercícios intensivos. Para proporcionar um maior conforto, cada peça do dispositivo é construída com base nas características de cada usuário, que passa por um processo de escaneamento do crânio antes que a construção seja iniciada.

Eficácia duvidosa

Apesar do vídeo produzido pelos criadores e da afirmação que diversos fabricantes estão interessados em tornar a ideia disponível para um público mais abrangente, ainda permanece a dúvida sobre a veracidade da invenção. Resta esperar que a novidade comece a ser produzida em larga escala para verificar se o papelão é um material tão resistente quanto afirmam os inventores do Kranium.