Estado Islâmico está desenvolvendo a própria rede social, diz Europol

1 min de leitura
Imagem de: Estado Islâmico está desenvolvendo a própria rede social, diz Europol
Avatar do autor

De acordo com a Reuters, militantes do Estado Islâmico estão desenvolvendo a própria rede social para melhorar a comunicação entre jihadistas, além de tornar mais fácil a propaganda dos ideais terroristas.

A Europol também encontrou 2 mil itens extremistas hospedados em 52 plataformas de mídias sociais

Rob Wainwright, diretor da Europol, órgão que luta contra as formas graves de criminalidade internacional e de terrorismo, comentou que a nova rede social do ISIS foi descoberta após uma operação realizada na internet na semana passada. "A operação revelou que o ISIS está desenvolvendo a própria rede social, na sua própria parte da internet para rodar a própria agenda", comentou Wainwright durante uma conferência em Londres (Reino Unido). "Isso nos mostra que alguns membros do Estado Islâmico, pelo menos, continuam inovando dentro desse espaço".

Não faz muito tempo que plataformas como Facebook, Twitter e Google iniciaram uma verdadeira guerra online contra o terrorismo. Foram milhares de sites, tweets, postagens e perfis deletados da internet — sob a acusação de incitação de ódio ou terror. Por oferecer chats secretos, o Telegram também era um dos alvos dos integrantes do EI para estabelecerem comunicações.

Apesar dos esforços, o ISIS continua operando na internet

Neste última ação realizada contra essa nova rede social, a Europol comentou que teve ajuda de autoridades dos Estados Unidos, Bélgica, Grécia, Polônia e Portugal. Além disso, outros números divulgados indicaram a presença de "2 mil itens extremistas hospedados em 52 plataformas de mídias sociais".

"Certamente, nós deixamos mais difícil para eles operarem na internet, mas ainda estamos vendo a publicação destes vídeos terríveis e comunicações em larga escala ocorrendo pela internet", comentou Rob Wainwright.

Fontes

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Estado Islâmico está desenvolvendo a própria rede social, diz Europol