Talvez a imagem acima lhe dê a impressão de que, em vez de acessar o Tecmundo, você acabou escorregando e caindo em um recorte de jornal centenário. Ok, a confusão é válida. Afinal, à primeira vista, o Airlander 10 se parece apenas como um enorme zepelim com design atualizado. Entretanto, a autonomia, a economia e o transporte ecologicamente correto de enormes quantidades de carga tem feito muita gente acreditar que há ali um meio de transporte coerente com as necessidades atuais.

De fabricação da Hybrid Air Vehicles (HAV), o Airlander 10 já recebeu uma injeção financeira da ordem dos US$ 10 milhões — sendo US$ 2,7 por parte da União Europeia, US$ 5 milhões dos cofres do Reino Unido e mais US$ 2 milhões por meio do site de financiamento colaborativo Crowdcube.

Vários dias no ar

A despeito da aparência pesada e desajeitada, a criação da HAV concentra diversas vantagens únicas em relação a outras formas de transporte aéreo. Por utilizar hélio inerte para ganhar altitude, por exemplo, o Airlander 10 é capaz de permanecer flutuando por vários dias com um custo mínimo de combustível.

E a economia se mantém durante o transporte propriamente dito, já que o zepelim consome apenas um terço do combustível que seria utilizado por um avião de proporções semelhantes. O revés, entretanto, aparece na velocidade máxima, que não vai muito além dos 160 quilômetros por hora.

Não obstante, o Airlander 10 ainda traz como vantagem uma autonomia para mais de 2,5 mil quilômetros, incluindo a possibilidade de aterrissar em praticamente qualquer terreno — dada a sua capacidade de pairar sobre a superfície. Ademais, a gigantesca aeronave ainda é capaz de carregar até 50 toneladas de carga.

Um projeto militar

Originalmente, o Airlander 10 havia sido desenvolvido para missões de segurança e reconhecimento do exército dos EUA. Entretanto, cortes de verba fizeram o projeto voltar para a HAV, que acabou encontrando outra forma de tirar o gigante de hélio do papel.

Atualmente, a ideia é promover o zepelim para transporte geral de carga, distribuição de itens de sobrevivência, propaganda, vigilância, comunicação e transporte de luxo. Entretanto, antes de passar a ser construído em larga escala, o Airlander 10 ainda deve ganhar um marco regulatório com normas legais especificando condições de fabricação e funcionamento — de fato, isso deve ser conquistado com o aporte US$ 2,7 milhões da União Europeia.