Grafeno

Fonte da imagem: Universidade de Koeln

Você certamente já ouviu falar no grafeno. Várias notícias aqui mesmo no Baixaki já abordaram o “composto milagroso” que muitos esperam que substitua o silício na construção de componentes para a informática, mas nenhuma com tanta esperança de inovação quanto esta.

O grafeno é um material composto por átomos de carbono dispostos lado a lado em uma folha com um átomo de espessura. Os usos do material são variados – desde supercapacitores até telas sensíveis a toque – porém até hoje não era possível utilizá-lo como transistor, componente mais comum da tecnologia da informática.

Liga-desliga

Um transistor é basicamente um interruptor de dois estados, semelhante ao botão da luz nas paredes de casas e escritórios pelo mundo todo. As folhas de grafeno, pela disposição simétrica dos átomos de carbono na estrutura – que o tornam um supercondutor –, não conseguem apresentar ambos os estados (ligado ou desligado) necessários à produção dos transistores.

Esse problema começa a ser resolvido a partir da pesquisa do doutor Nikhil Karaktar. O pesquisador conseguiu, ao despejar pequenas quantidades de água sobre uma camada de grafeno colocada sobre silício, corromper a simetria do material carbônico.

Grafeno

Fonte da imagem: Hannes Schniepp e Ilhan Aksay – Universidade de Princeton

Sem a disposição organizada de seus átomos o grafeno perdeu a capacidade de conduzir eletricidade, atingindo assim o “estado desligado” necessário para seu uso em transistores.

Como a água é uma substância de controle relativamente fácil – já que pode ser manipulada por pressão ou temperatura – e não perigosa, as chances de obter transistores mais seguros e eficientes aumentam. Para isso, basta arranjar uma maneira de molhar ou secar a estrutura de grafeno assim que necessário.

Economia e ecologia

Como o grafeno é de fácil obtenção e de produção barata, se o composto realmente puder se comportar como um transistor, o significado disso para a economia mundial – e para os movimentos ambientais – é enorme.

Afinal de contas, carbono pode ser obtido de uma infinidade de fontes, muitas delas renováveis, e acredita-se ser possível também reciclar o composto, diminuindo assim a quantidade de lixo tecnológico produzido.

Some-se a isso a utilização de água – outra substância  ambientalmente segura – e as possibilidades para a tecnologia verde aumentam consideravelmente.