(Fonte da imagem: Reprodução/RedRok)
O café é uma das bebidas mais famosas do mundo e possui grandes indústrias. E foi por esse “líquido escuro” possuir uma elevada produção que o americano Dave Hartkop quis revolucionar e levar à cafeicultura o termo “sustentabilidade” — utilizando, para isso, energia limpa. O resultado disso é a Helios 4: uma torrefadora formada por mais de 600 espelhos que capturam a energia solar.

A torrefação é um dos processos mais importantes na produção do café que será comercializado, já que é nessa etapa que o sabor é desenvolvido. Para isso, os grãos do café verde são aquecidos a altas temperaturas e colocados em movimento para que não queimem. Segundo Don Clark, do site Wired Java Fanatic, você pode imaginar uma máquina de torrefação como se fosse a mistura de uma máquina de fazer pipoca a ar quente e uma secadora de roupas.

(Fonte da imagem: Reprodução/Inhabitat)

Como é de se imaginar, tal equipamento precisa consumir uma boa quantia de energia para poder funcionar. A invenção de Dave Hartkop, no entanto, quer mudar isso de forma a deixar todo o processo mais ecologicamente aceitável. Assim, ele escolheu a energia solar que, além de ser considerada uma fonte “limpa”, ainda poderia produzir altas temperaturas, que seriam suficientes para realizar a torrefação a um bom custo.

Os painéis solares possuem 10,5 por 10,5 metros de área útil e a estrutura completa pesa cerca de 4 toneladas. Os espelhos concentram os raios de sol em uma caixa receptora, aquecendo o ar a até 480°C. Todo o projeto custou cerca de 65 mil dólares.

O início de tudo e os planos futuros

De acordo com a revista Popular Science, Dave Hartkop precisava de uma desculpa para sair da casa dos pais em 2004. Para isso, ele uniu seu interesse por energia alternativa à paixão por café do seu irmão. O resultado disso foi a Helios 4 — que é a quarta e maior versão da torrefadora.

Apesar de ser uma invenção inovadora para o sistema de torrefação, a Helios 4 está com os seus dias contados, pois Hartkop já está trabalhando em um formato mais leve e tem planos de vender a máquina para uma recicladora — que irá reaproveitar os painéis solares.

Fonte: Popular Science Brasil (edição de setembro de 2012) e HowStuffWorks