Imagem de: Esquadrão de um homem só deve ser o futuro das Forças Aéreas

Esquadrão de um homem só deve ser o futuro das Forças Aéreas

1 min de leitura
Avatar do autor

(Fonte da imagem: Reprodução/Dvice)

Imaginando como seria o futuro do combate aéreo nos próximos 10 anos, o coronel da Força Aérea norte-americana, Michael Pietrucha, afirmou que cada piloto vai controlar seu próprio esquadrão de drones quando decolar para suas missões. Em texto publicado no Air and Space Power Journal, o militar defendeu a pesquisa nesse sentido com o desenvolvimento de uma nova classe de aeronave sem piloto, pequena e leve.

Na visão de Pietrucha, o piloto iria aos ares acompanhado por um grupo de drones semiautônomos, capazes de cumprir funções de suporte, desde auxiliar no combate aéreo até funcionar como mísseis que acompanham a nave voando. Dessa forma, cada humano em um avião seria o equivalente a uma força de ataque completa da aeronáutica.

Além disso, o novo aparato será projetado para ser extremamente modular, sendo possível alterar não apenas suas cargas e armamentos, mas modificar até mesmo suas fuselagens. Os drones serão programados com uma série de técnicas de cerco e ataque em grupo, ativadas com um simples movimento do dedo do comandante do esquadrão.

O futuro é logo ali

O coronel acredita que essas aeronaves auxiliares não tripuladas estarão em pleno funcionamento até o ano de 2020. Com o governo norte-americano desenvolvendo a todo vapor drones similares aos sugeridos por Pietrucha, o esquadrão aéreo de um homem só pode estar muito mais perto de se tornar realidade do que podemos imaginar.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Esquadrão de um homem só deve ser o futuro das Forças Aéreas