Já é possível rodar Linux no M1, o chip ARM da Apple

1 min de leitura
Imagem de: Já é possível rodar Linux no M1, o chip ARM da Apple
Imagem: Apple
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

A comunidade de desenvolvimento continua trabalhando para trazer mais versatilidade ao M1, o chip ARM da Apple lançado no ano passado. Nesta semana, a startup de virtualização Corellium revelou que conseguiu rodar um sistema baseado em Linux no SoC da Maçã.

A novidade foi compartilhada pelo CTO da startup Chris Wade. De acordo com o membro da Corellium, já é possível fazer boot de um sistema Ubuntu via USB no Apple M1 e "utilizar completamente" o sistema no SoC, mas nem tudo são flores na adaptação.

Fonte:  Chris Wade/Twitter 

Mesmo com a possibilidade, ainda existem algumas limitações durante a operação do sistema, já que nem todos os recursos do computador são reconhecidos. A conexão de internet, por exemplo, ocorre por meio de um dongle USB-C e, de acordo com relatos, a aceleração de GPU não foi implementada até o momento.

Mais detalhes sobre o suporte para sistemas Linux no Apple M1 serão publicados ainda hoje pela empresa de desenvolvimento. Os responsáveis pela Corellium publicarão um tutorial de como realizar os procedimentos e, futuramente, lançará os códigos de adaptação com licenças open-source.

O suporte para Linux no Apple M1 é algo que deve interessar a usuários mais experientes, mas também mostra a versatilidade do chip ARM da Maçã. Apesar dos padrões fechados da fabricante, os desenvolvedores estão conseguindo expandir as possibilidades de uso do novo SoC.

Além de funcionar com Linux, o Apple M1 também já pode ser utilizado para rodar o Windows 10 via virtualização. Mesmo fora de sua "zona de conforto", o chip da Maçã conseguiu superar o processador do Surface Pro X ao rodar o sistema da Microsoft.

O M1 é apenas o primeiro chip ARM da Apple e mais soluções da empresa com a arquitetura já devem chegar ainda este ano. Segundo especulações, a fabricante pretende lançar soluções com até 32 núcleos, o que deve aquecer a competição contra empresas como Intel e AMD.