Quem tem um alto-falante inteligente, como os smart speakers Amazon Echo, HomePod ou Google Home, sabe que às vezes é difícil se comunicar bem com a assistente pessoal. Volta e meia, ela simplesmente não entende o seu comando ou pesquisa algo totalmente diferente do que foi dito.

Mas você sabia que o assistente se comporta de forma diferente com homens e mulheres? De acordo com um estudo do YouGov, esses serviços tendem a funcionar melhor com usuários do sexo masculino. Segundo a pesquisa, 67% das mulheres donas de smart speakers relataram ter problemas "às vezes" na compreensão de comandos de voz, enquanto entre o público de homens essa porcentagem foi de 54% dos entrevistados. Por outro lado, apenas 46% deles afirmam que o serviço "falha só raramente ou nunca"; já entre elas a parcela foi de 32%.

Curiosamente, outra estatística foi detectada: mulheres (45%) tendem a falar de forma mais educada com as assistentes do que os homens (30%), usando expressões como "por favor" ou "obrigado".

Por que isso acontece?

São duas as hipóteses para esse erro na compreensão dos comandos de voz. A primeira se refere à inteligência artificial, que teria sido treinada com vozes majoritariamente masculinas e, portanto, reconhece melhor esses padrões.

Só que esse viés não é defendido por alguns pesquisadores, que acreditam em um problema puramente técnico. Segundo o site TechRadar, outra hipótese é a de variações na afinação da voz, que são mais frequentes e intensas entre as mulheres e mais difíceis de a máquina detectar. 

De qualquer modo, a solução é a mesma: treinar o algoritmo para reconhecer quem está falando e alimentar a base de dados com variações ainda mais extremas da fala humana. Por enquanto, o jeito é repetir várias vezes o mesmo comando até ser atendido corretamente.