Imagem de: Experimentos de AI do Google permitem conversar com livros

Experimentos de AI do Google permitem conversar com livros

1 min de leitura
Avatar do autor

As possibilidades geradas pela inteligência artificial para a tecnologia são enormes, como sempre falamos por aqui. E uma das vertentes amplamente exploradas é a de interação do homem com as máquinas, de modo que elas dialoguem de forma individual com ele.

A própria Google, cheia de engenheiros futuristas, apresentou uma forma de o usuário conversar com livros. É como se fosse um bate-papo em grupo, no qual o leitor faz uma pergunta e recebe respostas vindas de milhares de livros diferentes.

A intenção da gigante das buscas é envolver os seus usuários com o processamento de linguagens semânticas e, a partir disso, conhecê-los melhor. Ou seja, é mais uma estratégia para captar informações de hábitos e oferecer conteúdos mais direcionados ao público. 

O nome de batismo é Talk to Books, e ele promete combinar milhões de sentenças com respostas que se encaixem e solucionem os questionamentos dos usuários.

Como funciona

Por meio de algoritmos, o software varre um banco gigantesco de livros do mundo todo, organizados de acordo com estilo e assuntos aos quais a pergunta se relaciona. Assim que encontra um par para aquele questionamento, ele retorna com a pergunta condizente.

Mas não espere tanta coisa dele, ok? Esses softwares ainda funcionam com combinações exatas de perguntas e respostas. Questões complexas como “o que eu devo fazer da vida depois que descobri que não era bolacha, mas sim biscoito?” provavelmente não terão resultados satisfatórios.

Semantris

Seguindo essa mesma ideia e interagindo com o Talk to Books, a Google criou um game de associação de palavras, para testar a habilidade dos usuários em combinar, corretamente, um termo aos seus sinônimos. O jogo se chama Semantris, e usa, como o nome sugere, a semântica por meio da AI.

Quando a palavra "café" estiver no topo do jogo, por exemplo, o jogador terá que digitar um termo relacionado a ela. Se ele escrever “pão”, o sistema buscará se essa palavra está ligada ao termo sugerido em uma lista de 10 verbetes. Se "pão" for relacionado a "café", ele pontuará conforme a proximidade. Talvez "pão" tenha o peso de 1 ponto, enquanto "açúcar" terá 5.

Essas novidades não são uma engenharia de cair o queixo, mas são de longe uma solução de grande utilidade, concorda? Deixe sua opinião nos comentários.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Experimentos de AI do Google permitem conversar com livros