Serra Leoa se tornou o primeiro país do mundo a utilizar uma tecnologia de blockchain para auditar os resultados de uma eleição.

Conferir atualização no final do texto

O pleito foi realizado na semana passada e levou cidadãos às urnas para escolher um novo presidente. Julius Maada Bio, do Partido Popular de Serra Leoa, ficou com 43,3% dos votos no primeiro turno. Um segundo turno será realizado em 27 de março para determinar o vencedor das eleições, mas Maada Bio tem grandes chances de sair vencedor.

A tecnologia utilizada para autenticar as eleições foi fornecida por uma empresa suíça chamada Agora. A verificação dos votos foi feita em tempo real, mas esse sistema só fui utilizado na região da capital do país, Freetown, a mais populosa de Serra Leoa.

Os votos foram registrados como blocos em um arquivo de blockchain privado mantido pelo sistema eleitoral do país

Os votos foram registrados como blocos em um arquivo de blockchain privado mantido pelo sistema eleitoral do país. Apenas pessoal autorizado tinha acesso a esse arquivo, e qualquer modificação nesse sistema deixaria rastros. Portanto, a probabilidade de fraude é baixa.

“Eu acredito fortemente que essa eleição é o começo de um movimento de votação em blockchain muito maior”, disse Leonardo Gammar, CEO da Agora, ao CoinDesk. Serra Leoa e outros países da região contam com um grande histórico de eleições problemáticas e fraudulentas. Por conta disso, faz sentido que o país seja pioneiro em novidades nesse segmento.

Você está olhando para um país do qual provavelmente não esperaria o pioneirismo no uso de tecnologia para promover eleições transparentes

“Você está olhando para um país do qual provavelmente não esperaria o pioneirismo no uso de tecnologia para promover eleições transparentes. Um país como Serra Leoa pode minimizar muito da polêmica em volta de eleições altamente controversas ao usar software como esse”, disse Jaron Lukasiewicz, diretor de operações da Agora.

A empresa já estaria em contato com outros países para fornecer a sua tecnologia de votação, mas não temos informações precisas sobre quais nações estariam interessadas nesse produto.

ATUALIZAÇÃO - 18h23 - 20/03/2018

A autoridade serra-leonense responsável pelas eleições no país desmentiu a participação da empresa suíça Agora na apuração das eleições para presidente do país realizadas no último dia 07. Segundo a autoridade, a Agora pôde apenas participar como observadora em alguns pontos de votação na região da capital do país. A Agora pôde inclusive realizar a contagem dos votos desses locais de forma independente, mas seus resultados não foram considerados na contagem oficial, a qual foi feita de forma totalmente manual com cédulas de papel. Portanto, não houve uso de blockchain na apuração das eleições em Serra Leoa.