Um app de calendário para o macOS disponível na App Store foi removido pela Apple por ter minerado criptomoedas nos computadores de usuários de forma ofensiva. Em teoria, o Calendar 2 deveria utilizar apenas 10% ou 20% do poder de processamento dos computadores para minerar Monero, mas um bug fez com que a ferramenta saísse de controle e começasse a gerar problemas para os utilizadores.

A possibilidade de permitir que o app minerasse Monero era totalmente controlada pelo usuário, entretanto. A pessoa poderia ativar a mineração em troca de obter as funções premium do aplicativo sem ter que pagar.

Os desenvolvedores do Calendar 2 perceberam a falha e anunciaram que removeriam o app da App Store, mas a Apple se meteu na jogada algumas horas antes. A justificativa para a remoção do app era de que ele estava contrariando as regras de eficiência energética da empresa, como descrias no item 2.4.2 das suas regras de desenvolvimento de apps para macOS.

abertoatedemadrugada

A Maçã, portanto, identificou que o app estava minerado criptomoedas de forma exagerada e o retirou da plataforma uma vez que ele estaria causando drenagem de bateria e sobrecarga no sistema.

Os desenvolvedores do Calendar 2 já republicaram uma versão do app sem os recursos de mineração de Monero e, com os US$ 2 mil que conseguiu em criptomoedas em três dias, vão liberar as ferramentas premium de forma gratuita para todos os seus usuários atuais.

Cupons de desconto TecMundo: