O crescimento da “cultura das criptomoedas” tem tornado termos como minerar, ethereum e bitcoin cada vez mais populares. Mais do que isso, muitos sites têm apostado nesse novo setor da economia para ganhar dinheiro e, dessa forma, deixar de oferecer anúncios em suas interfaces. Contudo, a medida gera certa polêmica.

Depois de inúmeros casos de páginas que se utilizavam dos recursos das máquinas de seus visitantes para minerar criptomoedas, a Google considera implementar um bloqueador automático desse tipo de ação no Chrome. A ideia é que a mineração não ocorra sem a anuência do usuário, que deve ser alertado e concordar em “emprestar” a sua máquina para tal fim.

A ideia de que isso pode acontecer veio de um dos engenheiros responsáveis pelo Chrome. Ojan Vafai publicou no fórum oficial de discussão de desenvolvedores do projeto Chromium que eles “deveriam fazer algo a respeito” da prática cada vez mais comum de usar a CPU da audiência de um site para minerar bitcoins.

Método

O método proposto por Vafai é informar ao usuário quando o navegador identifica que uma página consome uma determinada quantidade da CPU por um certo período de tempo. Neste caso, a medida inicial sugerida por ele é “colocar a página no ‘modo de economia de bateria’”, reduzindo o consumo de recursos e deixando o usuário decidir se quer ou não voltar ao normal.

As discussões sobre essa possibilidade estão apenas começando, então é cedo para saber se elas prosperarão dentro da comunidade de desenvolvedores da Google. A possibilidade levantada pelo engenheiro do Chrome faz todo sentido, visto que o consumo de CPU pode tornar não apenas a navegação, mas o desempenho geral do PC mais lento, capaz de prejudicar significativamente a experiência de usuário.

Se você não quer esperar uma função nativa no navegador para bloquear a mineração de bitcoins não autorizada em seu computador, confira o nosso tutorial de como evitar essa situação.

Cupons de desconto TecMundo: